A Calçada como Experiência de Arte Urbana: Projeto Nessa Rua Tem um Rio

Fabiana Abaurre Costa

Resumo


Resumo: Este artigo apresenta uma pesquisa etnográfica realizada em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, centrada nas experiências de intervenções artísticas do Projeto Nessa Rua Tem um Rio, promovidas pela ONG Undió, e os efeitos percebidos pelos fruidores. As ações de arte, esporádicas e variadas, ocorrem há dez anos numa calçada de um logradouro típico do centro de uma metrópole, a Rua Padre Belchior, que se divide entre o trânsito intenso de veículos e pedestres, poucos moradores e o comércio de pequenos negócios e os serviços. A arte urbana propõe uma quebra na rotina das pessoas que transitam ali e, na partilha do sensível, à luz de Ranciére, traz como resultados sentidos atribuídos de memória, afeto e pertencimento. São significados tecidos na relação e nos modos de apropriação dos interlocutores, instigando novos sentidos para o espaço da rua. A sociabilidade efêmera que se instaura acena para uma cidade sensível ( Campbell).

Palavras-chave: Arte urbana. Cidade sensível. Nessa Rua Tem um Rio. Undió

 

 

THE SIDEWALK AS AN URBAN ART EXPERIENCE: Nessa Rua Tem Um Rio Project

 

 

Abstract: This paper presents an ethnographic research carried out in Belo Horizonte, capital of Minas Gerais, centered on the experiences of artistic interventions of “Nessa Rua Tem um Rio Project”, which is promoted by Undió Institute, and the perceptions of its users. The sporadic and varied art actions have happened for ten years on the sidewalk of a typical inner-city street, Padre Belchior Street, where one can find heavy traffic of vehicles and pedestrians, few residents and small businesses and mom-and-pop stores. Urban art proposes a break in the routines of passers-by and, thought sharing the sensitive, according to Ranciére, brings as a result the meanings attributed to memory, affection and belonging. These are woven meanings in the interlocutors' relationship and ways of appropriation, instigating new significances of the street as an urban space. The ephemeral sociability that takes place on Pe. Belchior Street beckons to Campbell’s sensitive city.

Keywords: Urban art. Sensitive city. Nessa Rua Tem Um Rio. Undió


Palavras-chave


Arte urbana. Cidade sensível. Nessa Rua Tem um Rio. Undió

Texto completo:

227-268 PDF

Referências


AGIER, Michel. Antropologia da cidade: lugares, situações movimentos. São Paulo: Terceiro Nome, 2011.

ARANTES, Antônio Augusto. Guerra dos lugares: mapeando zonas de turbulência. In: ARANTES, Antônio Augusto. Paisagens paulistanas: transformações do espaço público. Campinas: Editora da UNICAMP, 2000. p. 105-130.

ARGAN, Giulio. Arte moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

AVELLAR, Wilson. Eu rio. Nessa rua tem um rio, 30 out. 2010. Disponível em: . Acesso em: out. 2019.

BECKER, Howard S. Falando da sociedade: ensaios sobre as diferentes maneiras de representar o social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

BELO HORIZONTE. Decreto nº 43, de 7 de setembro de 1929. Dispõe sobre denominação de praça, conforme especifica. Diário Oficial do Município, Belo Horizonte, 8 set. 1929. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2018.

BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal. Carnaval de Belo Horizonte cresce em 2019 e encanta 4,3 milhões de foliões. Belo Horizonte: PBH, 2019. Disponível em: . Acesso em: jan. 2020.

BISHOP, Claire. Antagonismo e estética relacional. Revista Tatuí, Recife, n. 12, p. 109-132,

BORSAGLI, Alessandro. Rios de Belo Horizonte. In: SCOVINO, Felipe et al. (Org.).

Escavar o futuro. Belo Horizonte: Piseagrama, 2014. p. 260-269.

BRASIL, André. Entre ver e não ver: o gesto do prestidigitador. In: GUIMARÃES, Cesar; LEAL, Bruno Sousa; MENDONÇA, Carlos Camargo (Org.). Comunicação e experiência estética. Belo Horizonte: Humanitas, 2006.

BURRO sem rabo. In: AULETE digital. . Acesso em: 08 jan. 2020.

CAIAFA, Janice. Aventura nas cidades. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2007.

CAMPBELL, Brígida. Arte para uma cidade sensível. São Paulo: Invisíveis Produções, 2015.

CAMPBELL, Brígida. Arte para uma cidade sensível: arte como gatilho sensível para novos imaginários. São Paulo: B. Campbell, 2018.

CANCLINI, Néstor Garcia. A sociedade sem relato: antropologia e estética da iminência. São Paulo: Edusp, 2016.

CANEVACCI, Massimo. A cidade polifônica: um ensaio sobre a antropologia da comunicação urbana. São Paulo: Studio Nobel, 1997

CANTON, Katia. Do moderno ao contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CARTAXO, Zalinda. Arte nos espaços públicos: a cidade como realidade. O Percevejo Online, v.1, n. 1, p. 1-16, jan./jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: jan. 2020.

CAUQUELIN, Anne. Arte contemporânea: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CLARK, Terry Nichols. Scenes contribute to the growth and decline of communities. MuniNetGuide, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2019.

COCCHIARALE, Fernando. A (outra) arte contemporânea brasileira: intervenções urbanas micropolíticas. Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais EBA-UFRJ. Rio de Janeiro, n. 11, p. 67-71, 2004.

CURRAL DEL REY. O vale do Córrego do Leitão entre os anos 1920 e 1930, nas proximidades da área central. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2019.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

ECKERT, Cornelia; ROCHA, Ana Luiza Carvalho. Etnografia de rua: estudo de antropologia urbana. Iluminuras, v. 4, n. 7, p. 1-22, 2003. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2020.

FORTUNA, Carlos. A cidade como palco. Precisamos mais teatro! In: (FORTUNA, Carlos et al. Org.). Cidade e espetáculo: a cena teatral luso-brasileira contemporânea. São Paulo: EDUC, 2013. p. 17-22.

FOSTER, Hal. O retorno do real: a vanguarda do final do século XX. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

FREITAS, Artur. Arte de guerrilha: vanguarda e conceitualismo no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013.

GEERTZ, Clifford. A arte como um sistema cultural. In: GEERTZ, Clifford. O saber local. Petrópolis: Vozes, 1997. p. 142-181.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989. p. 13-41.

GOFFMAN, Erving. A ordem da interacção. In: GOFFMAN, Erving. Os momentos e seus homens. Lisboa: Relógio d’Água, 1999.

GUIMARÃES, Cesar; LEAL, Bruno S.; MENDONÇA, Carlos C. (Org.). Comunicação e experiência estética. Belo Horizonte: Humanitas, 2006.

GUIMARÃES, Cesar. O que ainda podemos esperar da experiência estética? In: GUIMARÃES, César; LEAL, Bruno; MENDONÇA, Carlos. Experiência estética e comunicação: a partilha de um programa de pesquisa: entre o sensível e o comunicacional. Belo Horizonte: Autêntica: 2010.

GULLAR, Ferreira. Na vertigem do dia. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2017.

HARVEY, David. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

INGOLD, Tim. Pare, olhe, escute! Visão, audição e movimento humanos. Ponto Urbe, São Paulo, Ano 2, n. 3, jul. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2019.

INSTITUTO ÚNDIO. Nessa rua tem um rio: sede Úndio (em 1966). 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2019.

JACOBS, Jane. Morte e vida nas grandes cidades. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

JACQUES, Paola Berenstein (Org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro, Casa da Palavra, 2003.

JESUS, Eduardo de. Arte menor: mal entendidos e arte contemporânea, vida cotidiana e experiência estética. Trabalho apresentado no XXIII Encontro Anual da Compós, 2015, Florianópolis. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2015.

JESUS, Eduardo de. Relações entre arte e tecnologia: traços históricos e desdobramentos atuais. In: OLIVEIRA, Bruno; CUNHA, Maria Helena; RENA, Natasha (Org.). Arte e espaço: uma situação política do século XXI. Belo Horizonte: Duo Editorial, 2016. p. 158-173.

KATZ, Helena. É chegada a hora de enfrentar a subnutrição cultural. O Estado de S. Paulo, 10 jan. 2003.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2011.

LEITE, Rogerio Proença. Contrausos da cidade: lugares e espaço público na experiência urbana. Campinas: Editora Unicamp, 2004.

LUCIE-SMITH, Edward. Os movimentos artísticos a partir de 1945. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MAGNANI, José Guilherme C. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 49, p. 11-29, jun., 2002. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2019.

MAGNANI, José Guilherme C. Quando o campo é a cidade. In: MAGNANI, José Guilherme C.; TORRES, Lílian de Lucca (Org.). Na metrópole. São Paulo: Edusp, 2000.

MENDONÇA, Carlos Camargos. Ao homem em ruínas restaram as imagens? In. GUIMARÃES, César; LEAL, Bruno Souza; MENDONÇA, Carlos Camargos (Org.). Comunicação e experiência estética. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2006. p. 103-113.

MENDONÇA, Carlos Magno Camargos; MORICEAU, Jean-Luc; PAES, Isabela. Guerrilhas do sensível: estetização e contra-estetização do mundo. Compós, 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2015.

MORAES, Antônio Carlos Robert. Flávio de Carvalho: o performático precoce. São Paulo: Brasiliense, 1986.

O´DOHERTY, Brian. No interior do cubo branco: a ideologia do espaço da arte. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. Ensaios sobre moral e ética. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.

PALLAMIN, Vera Maria. Arte urbana: São Paulo: Região central (1945-1998): obras de caráter temporário e permanente. São Paulo: Annablume, 2000.

PEIRANO, Mariza. Etnografia, ou a teoria vivida. Ponto Urbe, n. 2, 2008. Disponível em: Acesso em: 06 nov. 2019.

PEIRANO, Mariza. Rituais como estratégia analítica e abordagem antropológica. In: PEIRANO, Mariza (Org.). O dito e o feito: ensaios de antropologia dos rituais. Rio de Janeiro: Relume Darumá, 2002a. p. 7-14.

PORTES, Thereza. Impactos de ações de mediação cultural: nessa rua tem um rio. In: LIBÂNIO, Clarice de Assis (Org.). Arte, cultura e transformação social: caderno de experiências. Belo Horizonte: Favela é isso aí, 2015. p. 48-51.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Ed. 34, 2005.

RIO, João do. A alma encantadora das ruas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ROCHA, Ana Luiza Carvalho da; ECKERT, Cornelia. Etnografia da duração: antropologia das memórias coletivas nas coleções etnográficas. Porto Alegre: Marcavisual, 2013.

SCHECHNER, Richard. “Pontos de contato” revisitados. In: DAWSEY, John C. (Org.) Antropologia e performance: ensaios napedra. São Paulo: Terceiro Nome, 2013. p. 37-65.

STOTT, Tim. Uma entrevista com Grant H. Kester. Revista Poièsis, Niterói, n. 23, p. 75-84, jul. 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2019.

TARDE, Gabriel. A opinião e as massas. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

TAYLOR, Diana. Traduzindo performance Kester. In: DAWSEY, John C. (Org.). Antropologia e performance: ensaios napedra. São Paulo: Terceiro Nome, 2013. p. 9-17.

VELHO, Gilberto. O desafio da proximidade. In: VELHO, Gilberto; KUSCHNIR, Karina (Org.). Pesquisas urbanas: desafios do trabalho antropológico. Rio de Janeiro, Zahar, 2003.

VOGEL, Arno; MELLO, Marco Antônio da Silva. Quando a rua vira casa. 4. ed. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2017.

VOILAT, Georges. En remontant la rue Vilin 1992. Um filme de Robert Bober. YouTube, 2016. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2019.

ZANINI, Walter. Vanguardas, desmaterialização, tecnologias na arte. São Paulo: Martins Fontes, 2018.




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.106958

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191