Lei da Compostagem e Participação Social: Etnografando políticas públicas em Florianópolis/SC

Rianna de Carvalho Feitosa, Maristela Oliveira de Andrade

Resumo


Resumo: Neste artigo buscamos compreender o papel da participação social na construção de políticas públicas relacionadas à gestão de resíduos sólidos urbanos (RSU). Fazemos isso a partir da análise do contexto de aprovação de uma lei pioneira no Brasil, que ficou conhecida como Lei da Compostagem (2019), pelo município de Florianópolis/SC. Realizamos pesquisa qualitativa e descritiva, com uma etapa documental e outra etnográfica. Primeiramente, sistematizamos um quadro histórico-político das relações da cidade com o lixo, apontando a sucessão de políticas e ações que reflete na forma como os RSU são geridos no município. Em seguida, apresentamos resultados da pesquisa etnográfica feita a partir da observação de duas sessões plenárias nas quais ocorreram as votações do Projeto de Lei 17.506/2018, conhecido como PL da Compostagem. Buscamos demonstrar a importância da participação social na aprovação dessa lei, capaz de trazer avanços significativos em relação à gestão de resíduos no município e no país.

Palavras-chave: Resíduos sólidos urbanos. Compostagem. Políticas ambientais. Participação social.

 

 

COMPOSTING LAW AND SOCIAL PARTICIPATION: ETHNOGRAPHY OF PUBLIC POLICIES IN FLORIANÓPOLIS / SC

 

Abstract: This paper aims to understand the role of social participation in the construction of public policies related to municipal solid waste management (MSWM). We do this by analyzing the context of approval of a pioneering law in Brazil, which became known as the Composting Law (2019), by the municipality of Florianópolis/SC. We conducted qualitative and descriptive research, with a documentary and an ethnographic stage. Initially, we systematized a historical-political framework of the city's relationship with waste, pointing the succession of policies and actions that reflected in how the MSW are managed in the municipality. Thereafter, we present results of the ethnographic research conducted from the observation of two plenary sessions, situations in which voting of PL (Bill) 17.506/2018, known as Composting Bill, took place. We aim to demonstrate the importance of social participation in the approval of this law, capable of bringing significant advances in relation to waste management in the municipality and in the country.

Keywords: Municipal solid waste. Composting. Environmental policies. Social participation.


Palavras-chave


Resíduos sólidos urbanos; Compostagem; Políticas ambientais; Participação social

Texto completo:

504-533 PDF

Referências


ABREU, Marcos José de. Votação do Projeto de Lei da Compostagem - segunda (25) – 16h. Florianópolis, 2019: Facebook. Disponível em:

https://www.facebook.com/events/343119059635668/ Acesso em: 13 de set de 2019.

BAGNATI, Antonio Marius Zuccarelli; ABREU, José Luiz Crivelatti de. Programa Beija-Flor de Tratamento Descentralizado de Resíduos em Florianópolis-SC, Brasil. In: FRICKE, Klaus; PEREIRA, Christiane; LEITE, Aguinaldo; BAGNATI, Marius. (org.). Gestão sustentável de resíduos sólidos urbanos: transferência de experiência entre a

Alemanha e o Brasil. Braunschweig: Technische Universität Braunschweig, 2015. Disponível em: https://goo.gl/BE246I Acesso em: set. de 2019.

BRASIL. Lei Nº12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília, DF, agosto de 2010. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=636 Acesso em: 3 de ago

de 2019.

CORBIN, Allan. O território do vazio: as praias e o imaginário ocidental São Paulo: Companhia das Letras, 1989 DIÁRIO CATARINENSE. Programa Lixo Zero faz de Florianópolis referência em

recuperação de resíduos sólidos. Notícia de 03 de setembro de 2019. Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/noticias/programa-lixo-zero-faz-de-florianopolisreferencia-em-recuperacao-de-residuos-solidos. Acesso em 11 de out de 2019.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo: ensaio sobre a noção de poluição e tabu. Lisboa: Edições 70, 1991. FLORIANÓPOLIS/CMF. PL 17.506/2018, dispõe sobre a obrigatoriedade da

Reciclagem de Resíduos Sólidos Orgânicos no Município de Florianópolis. Florianópolis, 2018. Disponível em: http://velho.cmf.sc.gov.br/proclegis/TextoOriginal/PL__17506_2018_Original.PDF. Acesso em 19 de ago de 2019.

FLORIANÓPOLIS/COMCAP. Evolução da limpeza pública na Capital: Das praias para o forno e o lixão. Prefeitura Municipal de Florianópolis, Florianópolis, 2012. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/entidades/comcap/index.php?cms=evolucao+da+limpeza+publica+na+capital. Acesso em 04 de out de 2019.

FLORIANÓPOLIS/PMCS. Plano Municipal de Coleta Seletiva – Produto 6 Versão Preliminar do Plano de Coleta Seletiva. Florianópolis, 2016. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/entidades/infraestrutura/index.php?cms=produtos&menu=15.

Acesso em 03 de out de 2019.

FLORIPAMANHÃ. Biguaçu vai proibir entrada do lixo da Capital no aterro. Carlos Damião, para o Notícias do Dia Florianópolis , 16 de dez de 2016. Disponível em:

http://floripamanha.org/2016/12/biguacu-vai-proibir-entrada-do-lixo-da-capital-noaterro/.

Acesso em 07 de out de 2019.

GLUCKMAN, Max. Análise de uma Situação Social na Zululândia Moderna. In. BIANCO, Bela Feldman (org.). Antropologia das Sociedades Complexas: Métodos.São Paulo: Ed. Global, 1987.

HINCAPIÉ, Liliana G. Para uma Antropologia da Política Pública: dinâmicas da construção de políticas públicas para comunidades afro-colombianas. In: Rev. Pol, Públ., São Luís, v. 19, n. 1, p. 157-171, jan./jun. 2015.

ICMBIO. DECRETO Nº 875, DE 19 DE JULHO DE 1993: Promulga o texto da Convenção sobre o Controle de Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e seu Depósito. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/cepsul/images/stories/legislacao/Decretos/1993/

dec_875_1993_convencaobasileia_residuospeigosos.pdf Acesso em 28 de set de 2019.

KRENAK, Ailton. ‘Vida sustentável é vaidade pessoal’, diz Ailton Krenak. [Entrevista concedida a] Fernanda Santana. Correio 24h, Salvador, 25 de jan de 2020.

DE LIMA, João Samarone Alves e GUIVANT, Julia Sílvia. e-waste – a consequência do consumo global de produtos de tecnologias da informação e comunicação. In: RIAL, Carmen (org.) O poder

do lixo: abordagens antropológicas dos resíduos sólidos. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Antropologia, 2016.

DIÁRIO ELETRÔNICO DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS, Edição Nº 2481, Florianópolis/SC, quarta-feira, 17 de julho de 2019, p. 2 e 3. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/

arquivos/diario/pdf/17_07_2019_18.41.05.76912d946042beb73c29215893b7a351.pdf Acesso em:19 de set de 2019.

MARQUES, Luiz. Capitalismo e colapso ambiental. Campinas, SP: editora da Unicamp, 2015.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo, Serviço Social do Comércio. Compostagem doméstica, comunitária e institucional de resíduos orgânicos: manual de orientação. Brasília, DF: MMA, 2017.

Disponível em: https://www.mma.gov.br/images/arquivo/80058/Compostagem-

ManualOrientacao_MMA_2017-06-20.pdf Acesso em 30 de set de 2019.

MÜLLER, Glaucia Regina Ramos. A Influência do Urbanismo Sanitarista na Transformação do Espaço Urbano em Florianópolis. Dissertação (mestrado em geografia) Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC: Florianópolis, 2002.

ND+. Falta de pagamento impede depósito de lixo no aterro de Biguaçu. Redação ND, Florianópolis 27 de nov de 2013. Disponível em:

https://ndmais.com.br/noticias/falta-de-pagamento-impede-deposito-de-lixo-no-aterrode-

biguacu/ Acesso em: 08 de out de 2019.

OLIVEIRA, Maria Teresa de; LOPES, Wilson Roberto Cancian. A questão dos resíduos sólidos urbanos e o sistema jurídico brasileiro – caso de Florianópolis. Artigo para disciplina (Pós-Graduação em Direito Ambiental). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1997. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/15_12_2010_11.53.53.ab184b9cd42e5db8c330364f1b697e7a.pdf. Acesso em 30 de set de 2019.

PÁDUA, José Augusto. Vivendo no Antropoceno: incertezas, riscos e oportunidades. In: OLIVEIRA, Luiz Alberto (org.). Museu do Amanhã. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2015. Disponível em: https://museudoamanha.org.br/livro/. Acesso em 14 de

março de 2019.

RIAL, Carmen (org.) O poder do lixo: abordagens antropológicas dos resíduos sólidos. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Antropologia, 2016.

SCHNEIDER, Kamila Guimarães e ALMEIDA, Caroline Soares de. Do lixo ao prato: um estudo sobre a reutilização de resíduos orgânicos a partir da concepção de diferentes classes sociais. In: RIAL, Carmen (org.) O poder do lixo: abordagens antropológicas dos resíduos sólidos. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Antropologia, 2016.

SERRES, Michel. O mal limpo: poluir para se apropriar? Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

TSING, Anna Lowenhaupt. Viver nas ruínas: paisagens multiespécies no Antropoceno. Tradução de Thiago Mota Cardoso et al. Brasília: IEB Mil Folhas, 2019.

VAN VELSEN, Jaap. A análise situacional e o método de estudo de caso detalhado. In:BIANCO. Bela Feldman (org.). Antropologia das sociedades contemporâneas:




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.106896

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191