Narrativas Urbanas: Acesso à moradia, organização familiar e a (re)produção do espaço urbano

Thalles Vichiato Breda

Resumo


Resumo: Este trabalho apresenta resultados das imersões etnográficas realizadas em 2017 e 2018, em um bairro promovido pelo Programa Minha Casa Minha Vida, em São Carlos/SP. Parto da perspectiva de Agier do "fazer-cidade", compreendendo que a cidade é feita de movimentos, de relações práticas e de narrativas. Neste sentido, a (re)produção do espaço urbano é permeada de disputas, contradições e apropriações, sendo um produto histórico, social e imediato. Abordo a (re)produção do espaço urbano por meio das "famílias populares urbanas" e sua potencialidade enquanto instância ordenadora simbólica do mundo cotidiano, e suas formas de organização interna/externa. Selecionei duas famílias beneficiárias para explorar o "fazer-cidade", levando em consideração especialmente a trajetória de moradia, trabalho e lazer. Algumas considerações podem ser tecidas: os arranjos familiares têm potencial de ressignificação do espaço urbano, tanto concreto, quanto simbólico; os deslocamentos em busca de trabalho e moradia são centrais neste processo de "fazer-cidade", dialogando com as formas de expansão e produção do urbano.

Palavras-chave: Produção do Espaço Urbano. Famílias Populares Urbanas. Moradia Popular. Programa Minha Casa Minha Vida. Narrativas Urbanas

 

 

URBAN NARRATIVES:

ACCESS TO HOUSING, FAMILIAR ORGANIZATION AND THE (RE)PRODUCTION OF THE URBAN SPACE



Abstract: This work presents results of the ethnographic immersions carried out in 2017 and 2018 in a neighborhood promoted by the Minha Casa Minha Vida Program, in São Carlos/SP. Starting from Agier's perspective of "making-city" (“fazer-cidade”), understanding that the city is made up of movements, practical relations and narratives. In this sense, the (re)production of the urban space is permeated with disputes and contradictions, appropriations, being a historical, social and immediate product. I approach the (re)production of urban space through the "urban popular families" and their potential as a symbolic organizing instance of the everyday world, their forms of internal/external organization. It was selected two beneficiary families to explore the "makeing-city", especially taking into account the trajectory of housing, work and leisure. Some considerations can be pointed: family arrangements have the potential to redefine urban space, both concrete and symbolic; displacements in search of work and housing are central to this "making-city" process, dialoguing with the forms of expansion and urban production.

Keywords: Urban Space Production. Urban Popular Families. Popular Housing. Minha Casa Minha Vida Program. Urban Narratives


Palavras-chave


Produção do Espaço Urbano; Famílias Populares Urbanas; Moradia Popular; Programa Minha Casa Minha Vida; Narrativas Urbanas.

Texto completo:

159-188 PDF

Referências


AGIER, Michel. Do direito à cidade ao fazer-cidade. O antropólogo, a margem e o centro. MANA 21(3), 2015, p. 483-498.

AMORE, C. S.; SHIMBO, L. Z.; RUFINO, M. B. C. (Orgs.). Minha casa...e a cidade? Avaliação do programa Minha Casa Minha Vida em seis estados brasileiros. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2015.

BARCELL, Bruno Leonardo. A interescalaridade da produção habitacional do Programa Minha Casa Minha Vida em cidades médias: do aumento do consumo imobiliário ao aumento das desigualdades socioespaciais. Caderno Prudentino de Geografia, n. 41, v. 4, Jul./Dez. 2019. P. 33-59.

BREDA, Thalles V. Articulações entre a produção do espaço urbano e a gestão do social: agentes e escalas na produção do PMCMV em São Carlos/SP. Dissertação (Mestrado em Sociologia) Universidade Federal de São Carlos, São Carlos/SP, 296f, 2018.

CABANES, Robert. Proletários em meio à tormenta neoliberal. In: CABANES, R.; et al. (Org.). Saídas de emergência: ganhar/perder a vida na periferia de São Paulo. Tradução de Ferrone; C. S. Rizek. São Paulo: Boitempo, 2011.

CARLOS, Ana F. A. Da “organização” à “produção” do espaço em movimento do pensamento geográfico. In: CARLOS, A. F. A.; SOUZA, M. L.; SPOSITO, M. E. B. (Orgs.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2017, p. 53 – 74.

COUTO, Marcia T. Estudos de famílias populares urbanas e articulação com gênero. Revista ANTHROPOLÓGICAS, ano 9, vol. 16(1), 2005, p 197 - 216.

DURHAM, Eunice. A caminho da cidade: a vida rural e a migração para São Paulo. São Paulo: Perspectiva, 1978.

FAUSTO NETO, Ana Maria. Família operária e reprodução da força de trabalho. Petrópolis: Vozes, 1982.

FONSECA, Claudia. Família, fofoca e honra. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

GEORGES, Isabel P. H.; CEBALLOS, Marco. Bolsa Familia y la asistencia social en Brasil: de la lucha política a la mercantilización local. In: Caderno CRH. Salvador, v.27, n.72, set./dez, 2014.

GUIMARÃES, Nadya A.; GEORGES, Isabel P. H. A construção social de trajetórias de mando: determinantes de gênero nos percursos ocupacionais. In: Cad. Pagu, n. 32, 2009, p.84-134.

GUIMARAES, Nadya Araujo; GEORGES, Isabel. A construção social de trajetórias de mando: determinantes de gênero nos percursos ocupacionais. IN: Cad. Pagu, nº.32, 2009, p.84-134.

LEÓN, Magdalena. La identidad se construye en la familia? Isis internacional – Ediciones de las mujeres, 20, 1994, p. 29-42.

LIMA, Renata, Priori. Limites da legislação e o (des)controle da expansão urbana: São Carlos (1857 – 1977). São Carlos: EdUFSCar, 2008.

MOTTA, Roberto; SCOTT, Russell Parry. Sobrevivência e fontes de renda: estratégias das famílias de baixa renda no Recife. Recife: Sudene/Massangana,1983.

ORSI, Rafael Alves. A produção do espaço urbano a partir da política habitacional do programa “minha casa minha vida”: integração ou fragmentação? In: ORSI, Rafael Alves (Org.). O espaço urbano produzido: atores e desafios, planos e perspectivas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2018.

ORSI, Rafael Alves. Paisagens em movimento: transformações pós-ocupação nos conjuntos habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida. Novos Cadernos NAEA, v. 23, n. 1, 2020, p. 261-280.

POLI, Mariana N. A Geografia do espaço vivido: Análise do uso social do solo urbano – estudo de caso na cidade de São Carlos, SP. Dissertação (Mestrado em Engenharia Urbana). Universidade Federal de São Carlos, 2004.

RIZEK, Cibele Saliba. Trabalho, moradia e Cidade: Zonas de indiferenciação. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais (impresso), v. 27, 2012, p. 41-50.

RUFINO, Maria Beatriz Cruz. Um olhar sobre a produção do PMCMV a partir de eixos analíticos. In: AMORE, C. S.; SHIMBO, L. Z.; RUFINO, M. B. C. (Orgs.). Minha casa...e a cidade? Avaliação do programa Minha Casa Minha Vida em seis estados brasileiros. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2015.

SARTI, Cyntia. A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. Campinas: Autores Associados, 1996.

SARTI, Cyntia. A família como ordem simbólica. Psicologia USP, vol. 15(3), 2004, p. 11- 28.

SIQUEIRA, Barbara Vallilo. O atual modelo de produção periférica nas cidades brasileiras: o Programa Minha Casa Minha Vida nos municípios paulistas de São Carlos e São José do Rio Preto. In: VII Seminario Internacional de Investigación en Urbanismo, Barcelona-Montevideo, 2015. Disponível em: https://upcommons.upc.edu/handle/2117/81312. Acessado em jun. 2020.

WOORTMANN, Klaas. A família das mulheres. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1987.




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.106777

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191