"A Escada da Memória": Arte e sobrevivência no Complexo do Alemão

Adriana Facina

Resumo


Resumo: Este artigo analisa um evento ocorrido durante pesquisa de campo realizada no Complexo do Alemão entre 2012 e 2014. A partir de um grafite pintado nos escombros de uma casa removida pelas obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento, lançado em 2007 pelo governo federal), e sua posterior destruição pelas autoridades municipais cariocas, a autora reflete sobre o significado da arte no contexto de culturas de sobrevivência, categoria analítica desenvolvida a partir da fala de um interlocutor da pesquisa, artista e morador do território. Sobreviver é entendido como experiência de driblar adversidades e produzir conhecimento e criatividade a partir da precariedade material e de direitos. Tal experiência molda relações temporais específicas e, no caso da criação estética, implica pensar a efemeridade e a perenidade da arte quando a vida está sob permanente ameaça.

Palavras-chave: Arte. Complexo do Alemão. Culturas de Sobrevivência

 

 

“THE STAIRS OF MEMORY”: ART AND SURVIVAL IN THE COMPLEXO DO ALEMÃO

 

 

Abstract: This article analyses an event that took place during field research in Complexo do Alemão between 2012 and 2014. Based on a graffiti painted on the ruin of a house destroyed by the PAC (Growth Acceleration Program, launched in 2007 by the federal government), and its subsequent destruction by Rio's municipal authorities, the author reflects on the meaning of art in the context of cultures of survival, an analytical category developed from the speech of an artist, and resident of the territory. Survival is understood as the experience of dribbling adversity and producing knowledge and creativity from material precariousness and lack of rights. Such experience shapes specific temporal relationships and, in the case of aesthetic creation, implies thinking about the ephemerality and perenniality of art when life is under permanent threat.

Keywords: Art. Complexo do Alemão. Cultures of Survival  

 


Palavras-chave


Art. Complexo do Alemão. Culturas de Sobrevivência

Texto completo:

428-446 PDF

Referências


BATISTA, Vera Malaguti. “O Alemão é muito mais complexo”. Texto apresentado no

o Seminário Internacional de Ciências Criminais em São Paulo, 23/07/2011.

BHABBA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte, Ed.UFMG, 1998.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. São Paulo, Companhia das Letras, 1996.

CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. Campinas, Papirus, 1995.

_________. A invenção do cotidiano. 1. Artes de fazer. Petrópolis, Vozes, 2012.

DAS, Veena e POOLE, Deborah (ed.). Anthropology in theMargins of the State. New

Mexico, School of American Research Press, 2004.

FACINA, Adriana. Sobreviver e sonhar: reflexões sobre cultura e “pacificação” no

Complexo do Alemão. In: PEDRINHA, Roberta Duboc e FERNANDES, Márcia Adriana (org.). Escritos transdisciplinares de criminologia, direito e processo penal: homenagem aos mestres Vera Malaguti e Nilo Batista. Rio de Janeiro, Revan, 2014. p. 39-48.

HOOGART, Richard. As utilizações da cultura. Aspectos da vida cultural da classe

trabalhadora, com especiais referências a publicações e divertimentos. Lisboa, Presença, 1973. 2 volumes.

LOPES, Adriana C.; FACINA, Adriana; SILVA, Daniel N. (orgs.). Nó em pingo d’água.

Sobrevivência, cultura e linguagem. Rio de Janeiro/Florianópolis, Mórula/Insular, 2019.

MASSOZ, Anna Marianne Jean-Pierre Natacha. Trajetórias e aspirações de mulheres

estudantes de um curso preparatório para a pós-graduação em uma comunidade da periferia do RJ. Rio de Janeiro, UFRJ, 2014. (dissertação de mestrado)

MENDONÇA, Tássia. Batan: Tráfico, Milícia e “Pacificação” na Zona Oeste do Rio de

Janeiro.Rio de Janeiro, UFRJ 2014. (dissertação de mestrado) .

OLIVEIRA, Bruno Coutinho de Souza. “Não tem essa de separação, aqui é tudo Complexo do

Alemão!”: uma etnografia dos espaços urbanos em um conjunto residencial no Rio de Janeiro. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Estudos Sociais e Políticos, 2018. (tese de doutorado).

VALLA, Victor Vincent. Educação e favela. Petrópolis, Vozes/ABRASCO, 1986.

VITAL, Christina. Religião, grafite e projetos de cidade: embates entre “cristianismo da batalha” e “cristianismo motivacional” na arte efêmera urbana. Ponto.Urbe (USP), v. 15, 2014. p. 1-21,

______________. Grafites do amor, da paz e da alegria na cidade Olímpica: interfaces entre política, arte e religião no Rio 2016. Revista Ciências Sociais Unisinos, v. 3, 2017. p. 499-507




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.104698

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191