Eu Não Alcancei este Tempo: Fotografia e ancestralidade no Alto da bela Vista, Itaparica (BA)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.100152

Palavras-chave:

Estudos Etnográficos, Memória Coletiva, Imagem e Imaginário

Resumo

Resumo: Cheguei à casa de D. Zeinha com algumas fotos nas mãos. Queria ouvir o que poderiam me contar. Licinha, sua filha, logo falou: nossa comunidade não tem memória. A prosa foi avançando. Esse aqui é tio Izidoro. Vovó Julia aqui. Emocionada Licinha vai até outro cômodo e volta com uma pasta com mais fotografias. Provoquei: viu só, quanta memória. Ela arrematou: é, a memória estava toda empoeirada na sacola. A experiência a que se propõe esta pesquisa tem lugar no Alto da Bela Vista, em Itaparica (BA) e envolve os moradores do entorno do terreiro Omo Ilê Agboulá e o culto aos ancestrais, Babá-Egùn. A ideia é comtemplar presenças e ausências acionadas por imagens. Eu não alcancei este tempo. Escutei isso repetidas vezes. A frase parece trazer a tona a astúcia das fotografias contra uma razão linear. As potencialidades de associação entre o fazer etnográfico e as narrativas geradas com as fotografias permeiam as reflexões a serem compartilhadas neste artigo.

 

Palavras Chaves: Ancestralidade. Fotografia. Memória.

 

I DID NOT REACH THAT TIME

PHOTOGRAPHY AND ANCESTRY AT ALTO DA BELA VISTA, ITAPARICA (BAHIA)

 

Abstract: I arrived at Ms. Zeinha’s house with some pictures in hands. I wanted to hear what they could tell me. Licinha, her daughter, has soon spoken: our community doesn’t have memory. The prose was going on. This is uncle Izidoro. Grandma Julia here. Thrilled, Licinha goes to another room and come back with a folder with more photos. I provoked: look at these, there are a lot of memory. She answered: yes, all this memory was dusty in a bag. The experience this research describes has place at Alto da Bela vista, Itaparica (Bahia), and involves the surrounding habitants of the terreiro Omo Illê Agboulá and the ancestors cult, Babá-Egùn.

 

The idea is to look on presences and absences activated by images. I did not reach that time. I heard that repeated times. This sentence seems to bring up the astuteness of photography against a linear rationality. The potentialities of the combination between ethnography and the narratives created with the pictures surround the reflections shared in this article.

Keywords: Ancestry. Photography. Memory.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Silva D'Amato, Universidade Federal de São Paulo

Mestranda em Ciências Sociais na UNIFESP. Possui pós- graduação com especialização em Fotografia pela FAAP (2015) e graduação em Comunicação Social (jornalismo e produção editorial).Pesquisadora associada do LAGRIMA - laboratório antropológico de grafias e imagens, vinculado ao IFCH - UNICAMP e do VISURB - Grupo de pesquisas visuais e urbanas, vinculado à EFLCH - UNIFESP. Seu trabalho aproxima procedimentos antropológicos e artísticos, expandindo o valor de uso das fotografias para outras possibilidades narrativas. Tem experiência na áreas de Comunicação, Jornalismo, Produção Editorial, Arte e Antropologia com ênfase em Antropologia da Imagem, atuando principalmente nos seguintes temas: artes visuais, fotografia contemporânea, narrativas visuais, livros de artista, arquivos, memória, viagens, cultura popular, memória e ancestralidade.

Referências

BASTIDE, Roger. As religiões africanas no Brasil, (Segundo Volume). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1971.

BRAGA, Júlio. Ancestralidade afro-brasileira: o culto de Babá Egum. Salvador: EDUFBA/Ianamá, 1995.

BENISTE, José. Orun Aiyé: O encontro de dois mundos. O sistema de relacionamento nagô-yorubá entre o céu e a Terra. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

CAPUTO, Stela Guedes. Conhecimento e memória no culto de Egum: a confecção da casa- corpo da morte. Mneme Revista de Humanidades, 11(29), 2011, jan./jul., p. 665-679. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/1017/996. Acesso em: 31 jan. 2020.

COUTO, Mia. Um rio chamdo tempo, uma casa chamada terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

GOLDMAN, Marcio. “A construção ritual da pessoa: a possessão no candomblé”. Religião e Sociedade, 12(1):22-54, 1985.

GOLDMAN, Marcio. “A construção ritual da pessoa: a possessão no candomblé”. “Formas do saber e modos do ser: observações sobre multiplicidade e ontologia no candomblé”. Religião e Sociedade, 25(2):102-120, 2005.

GOLDMAN, Marcio. “O dom e a iniciação revisitados: o dado e o feito em religiões de matriz africana no Brasil”. Mana: estudos de antropologia social. Rio de Janeiro: Contra Capa, pp. 269-288, 2012.

ELBEIN DOS SANTOS, Juana. Os nàgô e a morte: pàde, àsèsè e o culto Égun na Bahia. Petrópolis: Vozes, 2012.

FLAKSMAN, Clara. “De ‘sangue’ e ‘de santo’: o parentesco no candomblé”. Antropologias Afroindígenas: Contradiscursos e Contramestiçagens. 40º Encontro Anual da ANPOCS, 2016.

FLAKSMAN, Clara. “Relações e narrativas: o enredo no candomblé da Bahia”. Religião e Sociedade. Rio de Janeiro: UFRJ, 2016.

Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-85872016000100013&lng=pt&tlng=pt . Acesso em: 31 de janeiro de 2020.

JAGUN, Márcio de. Yorubá: vocabulário temático do candomblé. Rio de Janeiro: Litteris, 2017.

OXALÁ, Adilson de. Igbadu: a cabaça da existência. São Paulo: Pallas, 2006.

RABELO, Miriam C. M. Enredos, feituras e modos de cuidado: dimensões da vida e da convivência no candomblé. Salvador: EDUFBA, 2014.

SOUTY, Jérôme. Pierre Fatumbi Verger: do olhar livre ao conhecimento iniciático. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2011.

VELAME, Fábio M. O Opá ancestral: uma arquitetura de panos. In: II Seminário Arte e Cidade: Cultura, Memória e Contemporaneidade. Salvador: EDUFBA, 2008

VIANNA, Marisa. Baba Egum. Salvador: P555 Edições, 2008.

Downloads

Publicado

2020-08-11