Chamada de artigos: Primeiro semestre de 2022 - Edição 61 da Revista Iluminuras

2021-11-26

Proponentes:

 

Alexsânder Nakaóka Elias, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil: alexdefabri@yahoo.com.br //  alexdefabri@gmail.com 

Patrícia Pinheiro, Universidade Federal da Integração Latino Americana (Unila), Brasil: patriciasantspinheiro@gmail.com   


O lampejo de propor o presente dossiê surgiu a partir da organização do GT “Antropoéticas: outras (etno)grafias”, por nós coordenado na 32ª Reunião Brasileira de Antropologia, realizada em 2020. Tal iniciativa deu continuidade aos encontros, oficinas e publicações (Pinheiro, Magni, Kosby, 2019) desenvolvidas pelo Grupo de Pesquisa Antropoéticas, vinculado ao “Laboratório de Ensino, Pesquisa e Produção em Antropologia da Imagem e do Som” (LEPPAIS/UFPel). Essas atividades tiveram/têm como objetivo reunir pesquisadoras/es que promovam, em suas pesquisas, a relação entre poética e antropologia na composição de uma “antropografia” (Ingold, 2015), levando em conta diferentes metodologias e formas de expressão. 

Na 32ª RBA, ao recebermos 44 excelentes resumos, percebemos a necessidade e o grande interesse pela temática. Neste sentido, organizamos um pré-evento intitulado “ABRA”, que contou com a chancela da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e buscou acolher, se não todos, o máximo de trabalhos possível. A partir dessa segunda proposta, buscamos evidenciar, no limite, que os critérios de seleção por nós utilizados não foram somente a qualidade das propostas, mas a viabilidade das apresentações no formato virtual (com vídeos pré-gravados) em contexto de pandemia (idos de 2020), a maior ou menor proximidade com os eixos temáticos do GT e as possibilidades de relacionar e fazer com que os trabalhos dialogassem entre si. O pré-evento contou com a organização de uma exposição virtual (disponível em https://www.antropoeticas.com/gt-antropo%C3%A9ticas), estratégia que se verificou fértil para pensarmos alternativas mais inclusivas de interação em um formato que dá ênfase ao que chamamos de “experiências virtuais-sensoriais” (texturas sonoras, fotografias, desenhos, filmes, escrita, poesia, performances etc.),  

Nesse processo, a necessidade de organizar tantas reflexões e experimentações que relacionam o poético, o ético, o experimental e o estético em uma publicação tornou-se urgente. Isto porque, ao pensar, escrever e questionar (e sermos questionados/as por) grafias diversas, sejam elas  relacionadas a poesias, colagens, desenhos, bordados, fotografias, arte de rua, vídeos ou outras, as discussões deste coletivo se voltam para tensionamentos e reinvenções do fazer antropológico no contexto contemporâneo, reunindo trabalhos que apontem para uma política da produção de saberes nos quais inscrições do corpo e do cotidiano são parte da textualidade, como sugere Florentina Souza (2005). Desses processos, são percorridas diferentes dimensões do que é dado a perceber, que propiciam um tipo de pensamento (multis)sensorial imbricado sobre os modos com que se percebem as memórias corporais. 

Este dossiê tem o intuito, portanto, de expressar as tramas polissêmicas das grafias, potencializando os diálogos entre conhecimentos acadêmicos, conhecimentos populares e suas ressonâncias. Buscamos, ainda, acolher trabalhos que tensionem e debatam os desafios teórico-metodológicos que os diálogos antropoéticos nos trazem, assim como investigações que extrapolem as fronteiras entre pesquisa, ensino e extensão. Assim, pretendemos abrigar tanto contribuições apresentadas no GT “Antropoéticas” quanto no pré-evento “ABRA” - que perpassaram temas diversos, como os efeitos de racismo, machismos, ataques às condições de vida no planeta e ao ensino público, a vida na urbe, musicalidades diversas, grafismos etc. -, mas ampliamos a chamada para outros/as pesquisadores/as que intentam refletir e experimentar diante de novas visibilidades, texturas, montagens e processos multi-interpretáveis.  

Portanto, esta edição da Revista Iluminuras tratará sobre o tema: Metodologias etnográficas subversivas: As poéticas das grafias

 

Referências: 

 HARAWAY, Donna. 2016. Antropoceno, Capitaloceno, Plantationoceno, Chthuluceno: fazendo parentes. ClimaCom, ano 3, n. 5, “Vulnerabilidade”, 2016.   

 INGOLD, Tim. Estar vivo: Ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis: Editora Vozes, 2015. 

 PINHEIRO, Patrícia; MAGNI, Claudia Turra; KOSBY, Marília. Dossiê Antropoéticas: outras (etno)grafias. TESSITURAS: Revista de Antropologia e  Arqueologia, v. 7, 413 p., 2019. 

 SOUZA, Florentina. Afrodescendência em Cadernos negros e Jornal do MNU. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.


 

O prazo de envio é até 31 de março de 2022. Esta publicação está prevista para ser lançada em junho/julho de 2022.

Os artigos deverão ser formatados com base nas Diretrizes para Autores disponíveis em: http://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/about/submissions#authorGuidelines e submetidos em https://seer.ufrgs.br/iluminuras/about/submissions#onlineSubmissions.

Além do envio online, as colaborações devem ser enviadas para a Revista Iluminuras <iluminuras@ufrgs.br> com cópia para os emails alexdefabri@gmail.com e patriciasantspinheiro@gmail.com

Importante: É requerido que todas as submissões incluam o id ORCID (https://orcid.org) para cada um dos autores e coautores, tanto para os artigos como para as categorias de fluxo contínuo.