Chamada de artigos: Primeiro semestre de 2021 - Edição 56 da Revista Iluminuras

Em balanço recente sobre as vicissitudes do termo, Robert Borofsky retoma uma definição básica da antropologia pública como aquela relacionada à capacidade e, em grande medida, dever de abordar questões e problemas que não se restringem àqueles centrados em tradições disciplinares, direcionando-se e abrindo-se para a sociedade civil mais amplamente. 

Em geral, a ênfase recai sobre produções outras que não os tradicionais textos característicos de nossa atividade profissional, que possuem alcance restrito, abarcando diferentes mídias e tipos de registros (sons, imagens, recursos hipermidiáticos, etc), direcionadas ao público em geral, ação e participação social.

Desde a década de 1990, uma série de discussões ora endossaram a noção em virtude de uma aclamada necessidade de mudança das práticas acadêmicas para além dos muros da universidade, ora a problematizaram e, por vezes, criticaram-na pela sua aproximação com antropologia aplicada. No momento presente, estas discussões e problematizações sobre ações e estratégias levadas a cabo para comunicar e partilhar o conhecimento que produzimos com setores mais amplos da sociedade e com os próprios sujeitos, grupos ou comunidades pesquisadas, ganharam uma relevância acrescida.

Com uma bibliografia basicamente anglófona, as práticas que podem ser subsumidas pela noção de antropologia pública se tornaram extremamente correntes e importantes nos dias de hoje, seja pelo ataque que as ciências sociais têm sofrido em favor das ciências ditas duras, seja pela pandemia da Covid-19 que deslanchou inúmeras iniciativas desse gênero.

Este número temático visa reunir artigos que discutam trabalhos que poderiam ser pensados como projetos ou exercícios de antropologia pública, com especial atenção às possibilidades abertas pela utilização de sons e imagens na antropologia (filmes, sites, blogs, podcasts, webdocs, etc.). São também bem vindos relatos analíticos sobre experiências de participação e ação social a partir de pesquisas antropológicas, discussões sobre projetos de difusão e extensão em sua articulação com ciência e engajamento, questões relativas ao exercício científico em sua interface com a atuação pública e ao ativismo social, bem como discussões de cunho teórico sobre antropologia pública e/ou sua proximidade/distanciamento com noções como a de antropologia aplicada.

Proponentes:

Vitor Grunvald (DA/PPGAS/UFRGS - Porto Alegre/RS/Brasil)

vitor.grunvald@ufrgs.br

Filipe Reis (ISCTE-IUL/CRIA - Lisboa/Portugal)

filipe.reis@iscte-iul.pt

 

O prazo de envio é até 30 de novembro de  2020. Esta publicação esta prevista para ser lançada em fevereiro/março de 2021.

Os artigos deverão ser formatados com base nas Diretrizes para Autores disponíveis em: http://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/about/submissions#authorGuidelines e submetidos em https://seer.ufrgs.br/iluminuras/about/submissions#onlineSubmissions.

Além do envio online, as colaborações devem ser enviados para a Revista Iluminuras <iluminuras@ufrgs.br> com cópia para os emails vitor.grunvald@ufrgs.br e filipe.reis@iscte-iul.pt

Importante: É requerido que todas as submissões incluam o id ORCID (https://orcid.org) para cada um dos autores e coautores, tanto para os artigos como para as categorias de fluxo contínuo.