Malária mista – invasão eritrocitária simultânea por P. falciparum e P. vivax na Amazônia brasileira

Rosilene Ferreira Cardoso, Jorge Oliveira Vaz, Paulo Sérgio Barbalho Priante

Abstract


Com alta prevalência e incidência no Norte do Brasil, mas com facilidade diagnóstica através de coloração de lâmina, a malária deve e pode ser diagnosticada em fases iniciais o que contribuirá sobremaneira para a abordagem e sucesso terapêutico. O diagnóstico pode ser feito pela técnica do esfregaço delgado (distendido) ou espesso (gota espessa). O delgado é corado pelo Giemsa, após fixação com álcool metílico, enquanto a gota espessa é corada pela técnica de Walker (azul de metileno e Giemsa). Ambos são de baixo custo e permitem identificar  a espécie do plasmódio com maior precisão. Além disso, possibilitam quantificar a intensidade do parasitismo (μl ou mm3) de sangue. O método da gota espessa é pelo Ministério da Saúde, devido à maior concentração do sangue por campo microscópico favorecer o encontro do parasito. O Plasmodium varia em tamanho, forma e aparência e podem ocasionar infecções com apenas um protozoário ou infecção mista que se configura na invasão simultânea de duas espécies de Plasmodium, do mesmo paciente, na qual podemos observar anéis (trofozoítos jovens), formas irregulares (trofozoítos maduros) de P. vivax e gametócitos (forma de banana) de P. falciparum (figuras 1 e 2).

Keywords


malária



Copyright (c)



ISSN: 2357-9730 

http://seer.ufrgs.br/hcpa/

   

  

 

Apoio Financeiro:


 

Licença Creative Commons
The Clinical & Biomedical Research is licenced under Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.