Arte popular e espaço universitário: uma experiência educativa mediada pela reflexão filosófica

Selma Machado Simão

Resumo


Este artigo apresenta as análises dos resultados de uma ação educativa realizada na Galeria de Arte do Instituto de Artes da Unicamp (GAIA) no ano de 2017. Os conteúdos teóricos e práticos desta proposta foram fundamentados nas linguagens da Arte Popular brasileira, como: lendas, danças, cantigas e a Literatura de Cordel. Tais conteúdos foram fruídos e analisados por meio de reflexões filosóficas dos autores: Michel Foucault, Mikhail M. Bakhtin e Gilles Deleuze. Assim, a mediação baseou-se no enfoque fenomenológico e na interlocução de objetos culturais inseridos no universo epistemológico de conceitos da Filosofia. Tornou visíveis as produções de diferentes grupos e seus autores no intuito de promover a criação poética e a autoria, além de evidenciar a importância da pesquisa empírica na área de educação em artes.


Palavras-chave


Arte popular. Criação. Filosofia.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Márcia. História de cordéis e folhetos. Campinas: Mercado de Letras, 1999.

ACADEMIA BRASILEIRA DE LITERATURA DE CORDEL - ABLC. Métricas. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2017.

ACADEMIA BRASILEIRA DE LITERATURA DE CORDEL - ABLC. Versos soltos. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2017.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. 5. ed. São Paulo: Hucitec/AnnaBlume, 2002.

BAKHTIN, Mikhail. Apontamentos 1970-1971. In: Estética da criação verbal. 2. ed.. São Paulo: Martins Fontes, 1997. p. 370-398.

BAHTKIN, Mikhail. Formas de tempo e de Cronotopo no Romance: Ensaios de poética histórica. In: BAHTKIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Trad. Aurora Fornoni Bernadini et al. 3. ed. São Paulo: Ed. UNESP, 1993. p. 211-362.

BAKHTIN, Mikhail. O todo significante do herói. In: Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997. p. 153-198.

BATALHA, Maria Cristina. O que é uma Literatura Menor? In: Revista Cerrados nº 35. Revista do Programa de Pós-Graduação em Literatura, 2013. p 115-134. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2017.

CERTEAU, Michel de. Invenção do cotidiano: Artes de fazer. 3 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é uma literatura menor? In: DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka: para uma literatura menor. Rio de Janeiro: Imago, 1978. p. 25-42.

DELEUZE, Gilles. Uma conversa, o que é, para que serve? In: Diálogos. São Paulo: Editora Escuta, 1998. p. 9-27.

FOUCAULT, Michel. La Verdad y las Formas Jurídicas. Barcelona: Gedisa, 1995.

FOUCAULT, Michel. Le sujet et le pouvoir. In: FOUCAULT, Michel. Dits et Écrits IV - 1980-1988. Paris: Gallimard, 1994. p. 222-242.

FOUCAULT, Michel. Por trás da fábula. In: Estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense, 2009. p 210 – 218.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Tradução Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

SIMSON, von Olga R. de M. Samba paulista: experiências, estórias e memórias da estratégica trajetória negra construída em nosso estado. O samba de Umbigada e o samba de Bumbo. Palestra F.E. e C.M.U./UNICAMP, 2005.




DOI: https://doi.org/10.22456/2357-9854.84940

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


       

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.