Corpo que paira, corpo que flui: corporeidades múltiplas na arte-vivência

Autores

  • Rosália Menezes Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – UNILAB, Redenção/CE
  • Jo A-mi Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira –– UNILAB, Redenção/CE

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.70906

Palavras-chave:

Corpo. Corporeidade. Arte-vivência.

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar reflexões críticas a propósito das relações entre o Corpo e os seus agenciamentos com o mundo (compreendido como corporeidade), mantendo com as experimentações artísticas um viés estratégico de territorialidade crítica enquanto “linha de fuga” – conforme Deleuze. Teoricamente, teceu-se um percurso que se iniciou com as perspectivas do corpo na clássica filosofia ocidental, entremeado por estudos de base sociológica (na discussão do processo civilizador e do corpo como coletividade) e de base histórica (do corpo contextualizado em sua relação com o mundo e com as artes). Assim, a arte-vivência com o corpo, aqui demonstrada, procurou constituir-se em corporeidades cuja travessia foi reconstruindo conceitos, percepções e ações sobre o corpo cena-em-si: objeto e ato de experiências artístico-pedagógicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosália Menezes, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – UNILAB, Redenção/CE

Professora adjunta da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Possui graduação em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará - UECE, formação em Teatro pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, IFECE em parceria com a Escola Pública de Teatro da Vila das Artes, mestrado em Filosofia pela Universidade Federal do Ceará - UFC, doutorado em Educação pela Universidade Federal do Ceará (2011). Participa dos grupos de pesquisa (CNPq) em Filosofia e linguagem artísticas modernas e contemporâneas e Drama, dramaturgia, cena: questões contemporâneas. Atua nas áreas de Artes Cênicas, Filosofia e Educação, realizando pesquisas que privilegiam uma interface entre as mesmas.

Jo A-mi, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira –– UNILAB, Redenção/CE

Professora-pesquisadora da Unilab-CE, trabalha com pesquisas e projetos de extensão nas áreas de “Literatura e Artes Visuais", "Literaturas contemporâneas de Língua Portuguesa", "Relações de Gênero". É coordenadora do ATELIÊ - grupo de pesquisas e estudos interartes -, membro do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos e integrante do Núcleo de Políticas de Gênero e Sexualidade. Como escritora, publicou a ficção intitulada "Cor Adormecida" (2012) e ganhou menção honrosa pelo conto "O cabrito beija-flor", no XV Prêmio Estadual Ideal Clube de Literatura. Enquanto artista visual, participou de exposições, instalações coletivas e dirigiu o documentário "No Ceará dos grafites" (disponível no YouTube).

Referências

ARISTÓTELES. De anima. Tradução de Maria Cecília Gomes dos Reis. São Paulo: Ed. 34, 2007.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento. São Paulo: Hucitec, 1999.

BARTHES, Roland. O óbvio e o obtuso: ensaios críticos III. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BAUMAN, Zygmunt. Sobre os usos pós-modernos do sexo. In: BAUMAN, Zygmunt. A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. p. 275-297.

BERNARD, Michel. Les nouveaux codes corporels de la danse contemporaine. In: PIDOUX, Jean-Yves. La danse, art du XX ème siècle? Lausanne: Editions Payot, 1990

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

ESPINOSA, B. Ética. São Paulo: Nova Cultural, 1997. Coleção Os pensadores.

COHEN, Renato. Performance como linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2007.

DELEUZE, Gilles. Dialogues. São Paulo: Escuta, 1998.

DESCARTES, René. Discurso do método. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. v.2. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis/Rio de Janeiro: Ed. Vozes, 2004.

GÉLIS, Jacques. O corpo, a igreja e o sagrado. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges (Org.). História do corpo: da Renascença às Luzes. Rio de Janeiro: Vozes, 2008. p. 19-130.

GIL, José. O corpo paradoxal. In: LINS, Daniel; GADELHA, Sylvio (Org.). Que pode o corpo. Fortaleza: Relume Dumará, 2002. p.131-147

GREINER, Christine. O corpo. São Paulo: Annablume, 2005.

HAESBAERT, Rogério. Territórios alternativos. São Paulo: Contexto, 2002.

MAFFESOLI, Michel. A sombra de Dionísio. Coleção tendências. v. 7, Rio de Janeiro: Graal, 1985.

MICHAUD, Yves. Visualizações – o corpo e as artes visuais. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges (Org.). História do corpo: as mutações do olhar – o século XX. 4. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2011. p. 541-565

ORTEGA, Francisco. O corpo incerto: corporeidade, tecnologias médicas e cultura contemporânea. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

PAGLIA, Camille. Apolo e Dioniso. In: PAGLIA, Camille. Personas sexuais: arte e decadência de Nefertite a Emily Dickinson. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 77-100.

PLATÃO. Fedro. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: UFPA, 2001.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

Downloads

Publicado

2017-04-30

Como Citar

MENEZES, R.; A-MI, J. Corpo que paira, corpo que flui: corporeidades múltiplas na arte-vivência. Revista GEARTE, [S. l.], v. 4, n. 1, 2017. DOI: 10.22456/2357-9854.70906. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/70906. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

O Corpo nas Artes e as Artes do(s) Corpo(s): um caminho (inter)artes para a ecologia de saberes