Fotografia “dentrofora” da escola: representação, apresentação e tradução do mundo juvenil. Retratos parciais.

Autores

  • Vanessa de Andrade Lira dos Santos Universidade Estadual do Rio de Janeiro — UERJ, Duque de Caxias/RJ, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.65383

Palavras-chave:

Fotografia. Juventude e escola. Colagem.

Resumo

Explorar as imagens através do ato fotográfico não se trata apenas de observar e enquadrar o real em estruturas bidimensionais, mas se configura como síntese entre o que se está a observar e a intencionalidade do observador. Na conjuntura atual, considerando o registro fotográfico como experiência impregnada na sociedade, tem-se uma sensação de saturação de suas formas de apresentar e representar o mundo, encarando a repetição do ato como esvaziadora de seus sentidos para os sujeitos que produzem e que se veem registrados cotidianamente. Ligando o ato de fotografar às vivências juvenis, “dentrofora” da escola, é possível vislumbrar a presença e a potência desses registros nas várias formas de exposição que a ferramenta e seus usos sugerem. O objetivo desta empreitada será desvelar, através do ato, fotográfico maneiras estéticas de dizer e de criar da juventude.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa de Andrade Lira dos Santos, Universidade Estadual do Rio de Janeiro — UERJ, Duque de Caxias/RJ, Brasil

Mestranda em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas, FEBF-UERJ. Possui pós-graduação em Ensino da Arte pela Universidade Veiga de Almeida (2011) e graduação (licenciatura e bacharelado) em Artes Plásticas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ (2005). Atualmente é professora concursada de Artes Plásticas da Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro – FAETEC e da SEEDUC-RJ. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino da Arte e identidades juvenis.

Referências

BARTHES, Roland. Tradução de Júlio C. Guimarães. A câmara clara. Nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BRAUNE, Fernando. O surrealismo e a Estética Fotográfica. Rio de Janeiro: 7 letras, 2000.

DUBOIS, Philippe. Tradução Mariana Apponzeller. O ato fotográfico e outros ensaios. São Paulo: Editora Papirus, 1993

FLUSSER, Vilem. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. São Paulo: Editora Hucitec, 1985.

MAFFESOLI, Michel. O conhecimento comum. Introdução à Sociologia Compreensiva. Sulinas, 2007.

MANGUEL, Alberto. O espectador comum: A imagem como narrativa. In: lendo Imagens: uma história de amor é ódio. Tradução: Rubens Figueiredo, Rosana Eichemberg e Cláudia Strauch. São Paulo: Companhia das letras, 2001. pp. 15-34

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. 19 edição, Petrópolis: Vozes, 2001.

RICHTER, Sandra. Bachelard e a experiência poética como dimensão educativa da arte. Educação, Santa Maria, v.31-n. 02, 2006. pp. 241-254

Downloads

Publicado

2016-08-31

Como Citar

SANTOS, V. de A. L. dos. Fotografia “dentrofora” da escola: representação, apresentação e tradução do mundo juvenil. Retratos parciais. Revista GEARTE, [S. l.], v. 3, n. 2, 2016. DOI: 10.22456/2357-9854.65383. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/65383. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

Artes Visuais na Educação Básica