Banco Mundial e as Recomendações Atuais para as Políticas Educacionais no Brasil

Jani Alves da Silva Moreira, Telma Adriana Pacifico Martineli, Renata Valério da Silva, Carolina de Moura Vasconcelos

Resumo


Este texto tem como objetivo apresentar as recomendações do Banco Mundial (BM), no campo da influência nos ditames das políticas educacionais em vigência, a fim de evidenciar se essas recomendações têm sido propaladas em documentos atuais encomendados pelo governo brasileiro, delineados em leis, ações e programas da educação. Trata-se de um estudo exploratório sobre o tema, no qual, por meio de uma análise crítica e documental, analisa-se o alcance da influência dessa agência, mediante o contexto de intensificação do neoliberalismo, com vistas a inquirir como estão sendo assentadas essas recomendações na prática dos sistemas educacionais e como tem sido o delineamento das atuais reformas.

 


Palavras-chave


Banco Mundial. Políticas Educacionais. Reformas Educacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTMANN, H. Influências do Banco Mundial no projeto educacional brasileiro. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, jan./jun. 2002.

AMARAL, N. C. Uma análise do documento “Um Ajuste Justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil”. Goiás: UFG, 2017.

AVRITZER, L. O pêndulo da democracia no Brasil: uma análise da crise 2013-2018. Revista Novos Estudos, ¬¬CEBRAP, São Paulo¬¬, v. 37, n. 02, p. 273-289 ¬¬ maio/ago. 2018. Disponível em . Acesso em: 25 maio 2019.

BALL, S. J. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça Social, pesquisa e política educacional. In: MAINARDES, J.; MARCONDES, M. I. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 106, p. 303‐318, jan./abr. 2009.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estrategias para la educacion: Examen Del Banco Mundial. Washington, 1995.

BANCO MUNDIAL. Guia prático da governança corporativa: experiências do círculo de companhias da América Latina. 2009.

BANCO MUNDIAL. Banco internacional para a reconstrução e o desenvolvimento e corporação financeira internacional: estratégia de parceria de país para a república federativa do Brasil exercícios fiscais (2012 a 2015). 2011.

BANCO MUNDIAL. Retomando o caminho para a inclusão, o crescimento e a sustentabilidade. 2016.

BANCO MUNDIAL. Um Ajuste Justo: Análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Washington, 2017.

BANCO MUNDIAL. Por um ajuste justo com crescimento compartilhado: uma agenda de reformas para o Brasil, 2018.

BANCO MUNDIAL. Office of executive diretor – EDS21. 2019.

BORGES, André. Governança e política educacional: a agenda recente do Banco Mundial. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 18, n. 52, 2003.

BRASIL DEBATE. FUNDAÇÃO FRIEDRICH EBERT. Austeridade e retrocesso: impactos sociais da política fiscal no Brasil. São Paulo. 2018. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2019.

BRASIL. Plano Nacional de Educação 2014-2024: Linha de base. Brasília, DF: Inep, 2015.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 95, de 15 de setembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, Senado Federal, 2016.

CARDOZO, M. J. P. B. Crise do capital: ajuste estrutural e as reformas educacionais propostas pelo Banco Mundial, 2005.

CASIMIRO, F. H. A nova direita no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

CASTRO, M. H. G. Sistemas de Avaliação da Educação no Brasil: avanços e novos desafios. Perspectivas, São Paulo, n. 1, v. 23, 2009.

DE BONIS, D. Políticas de remuneração variável na educação pública brasileira: uma análise comparada. Revista Temas de Administração Pública, Araraquara, v. 10, n. 1, p.67-86, 2015.

FONSECA, M. O financiamento do Banco Mundial à educação brasileira: vinte anos de cooperação internacional. In: DE TOMMASI, L.; WARDE M. J.; HADDAD, S. O Banco Mundial e as políticas educacionais. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2003. p. 229-251.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

FUNDAÇÃO ULYSSES GUIMARÃES; PMDB. Uma ponte para o futuro. 2016. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2019.

GAJARDO, M. Reformas educativas en América Latina balance de una década. In: PREAL, 15., 1999, Santiago. Documento de Trabajo. Santiago de Chile, set. 1999.

JINKINGS, I.; DORIA, K.; CLETO, M. Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016. p. 61-67.

KRAWCZYK, N. A sustentabilidade da reforma educacional em questão: aposição dos organismos internacionais. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 43-62, 2002.

LEHER, R. Da ideologia do desenvolvimento à ideologia da globalização: a educação como estratégia do Banco Mundial para alívio da pobreza. 1998. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

LEHER, R. Um Novo Senhor da Educação? A política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Outubro, São Paulo, v. 1, n. 3, p. 19-30, 1999.

LUCENA, C.; PREVITALI, F. S.; LUCENA, L. A crise da democracia brasileira. Uberlândia: Editora Navegando, 2017.

MOREIRA, J. A. S. Políticas Públicas para a educação infantil no Brasil (1990-2001). Maringá: EDUEM, 2012.

MOREIRA, J. A. S. Políticas de Financiamento e Gestão da Educação Básica (1990-2010): os casos Brasil e Portugal. Maringá: EDUEM, 2015.

MOREIRA, J. A. S. Reformas educacionais e políticas curriculares para a educação Básica: prenúncios e evidências para uma resistência ativa. Revista Germinal, v. 10, n. 02, p. 199-213, 2018.

NASCENTES, Ana Luisa; SALINET, Maria Fernanda. O labirinto das verbas para a educação. Zero. Jornal-laboratório do curso de Jornalismo da UFSC, Florianópolis, 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2019.

PANSARDI, M. V. A Formação de Professores e o Banco Mundial. Caderno do Simpósio Brasileiro de Política e Administração da Educação, Porto Alegre, ANPAE, 2009.

PEREIRA, J. M. M. O Banco Mundial como ator político, intelectual e financeiro (1944-2008). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

PEREIRA, J. M. M. Banco Mundial, reforma dos Estados e ajuste das políticas sociais na América Latina. Ciência & Saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 7, p. 2187-2196, 2018.

PRONKO, M. A. O Banco Mundial no campo internacional da educação. In: PRONKO, M. A.; PEREIRA, J. M. M. (Org.). A demolição de direitos: um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e a saúde (1980-2013). Rio de Janeiro: EPSJV, 2014. v. 1. p. 89-112.

ROSSI, P.; DWECK, E. Impactos do novo regime fiscal na saúde e educação. Espaço temático: austeridade fiscal, direitos e saúde. Caderno Saúde Pública, v. 32, n. 12, 2016. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2019.

RUIZ, M. J. F.; BUFALO, K. S. Uma ponte para o futuro: políticas educacionais e parcerias público-privadas. Educação em Análise, Londrina, v. 2, n. 1, p. 37-58, jan./jun. 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2019.

SANTOS, L. L. de C.P. A implementação de políticas do Banco Mundial para a formação docente. Cadernos de Pesquisa, Belo Horizonte, UFMG, n. 11, p. 173-182, dez. 2000.

SILVA, M. A. Do projeto político do banco mundial ao projeto político-pedagógico da escola pública brasileira. Cadernos Cedes, Campinas, v. 23, n. 61, p. 283-301, dez. 2003.

SILVA, M. A. O consenso de Washington e a privatização da educação brasileira. Revista Linhas Críticas, v. 11, n. 21, p. 255-264, jul./dez. 2005.

SOARES, M. C. C. Banco Mundial: políticas e reformas. In: TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial e as Políticas Educacionais. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2009. p. 15-39.

TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial e as Políticas Educacionais. São Paulo: Cortez, 2003.

UNESCO. Clasificación Internacional Normalizada de la Educación (CINE). 2011. Disponível em . Acesso em: 28 maio 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fineduca adota o formato de publicação contínua.

 

Fontes de Indexação:

LATINDEX

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.