Trabalho e Carreira Docente na Rede Municipal do Rio de Janeiro

Felipe Willian Ferreira de Alencar

Resumo


Docentes da educação básica possuem grandes desafios no sentido de conquistar a valorização do magistério diante das políticas nacionais de carreira e financiamento da educação. Nesse sentido, investiga-se a carreira como um indicador das condições de trabalho dos professores da Rede Municipal do Rio de Janeiro, que realizaram uma greve em 2013 por melhores condições de carreira. Assim, a proposta neste artigo é comparar dois planos de carreira: o vigente à época da greve e o que foi aprovado no decurso da mobilização. Foram analisados os critérios de ingresso, a jornada de trabalho, as formas de movimentação na carreira e a composição da remuneração. Verificou-se que o concurso público foi o principal processo de contratação; houve criação de mais itens da remuneração; mudanças que conferiram criação de jornada única de 40 horas semanais e ampliação da movimentação na carreira, restritas a critérios orçamentários, de modo que esses elementos não foram estabelecidos como direitos dos docentes.


Palavras-chave


Carreira e Remuneração Docente. Valorização do Magistério. Condições de Trabalho Docente. Professores Municipais do Rio de Janeiro.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, Felipe Willian Ferreira de. Das Jornadas de Junho ao “Fora Cabral, vá com Paes!”: um estudo sobre a greve de professores da Rede Municipal do Rio de Janeiro (2013). In: SEMANA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS, 1, 2018, Guarulhos. Anais... Guarulhos, 2018. v. 1. p. 399-408. Disponível em

anais-i-semana-de-pc3b3s-graduac3a7c3a3o-cic3aancias-sociais-unifesp_completo_vs2.pdf>. Acesso em: 24 mar. 2019.

ARELARO, Lisete Regina Gomes. Fundef: uma avaliação preliminar dos dez anos de sua implantação. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 33, 2007, Caxambu. Anais... Caxambu: Anped, 2007.

ARELARO, Lisete Regina Gomes et al. Trabalho docente e valorização do magistério na Rede Municipal de Ensino de São Paulo. Educação em foco, Belo Horizonte, ano 15, n. 19, p. 129-162, jun. 2012.

ARELARO, Lisete Regina Gomes et al. Condições do trabalho docente: uma análise da carreira na rede municipal de ensino de São Paulo. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 95, n. 239, p. 197-217, jan./abr. 2014.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 1996a.

BRASIL. Lei nº 9.424 de 24 de dezembro de 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério. Diário Oficial da União, Brasília, 1996b.

BRASIL. Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB. Diário Oficial da União, Brasília, 2007.

BRASIL. Lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008. Regulamenta a alínea "e" do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 2, de 28 de maio de 2009. Fixa as Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos Profissionais do Magistério da Educação Básica Pública. Diário Oficial da União, Brasília, 29 maio 2009.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer nº 12, de 2 de outubro de 2012. Reexame do Parecer CNE/CEB nº 9/2012, que trata da implantação da Lei nº 11.738/2008, que institui o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da Educação Básica. Brasília, 2012.

CAMARGO, Rubens Barbosa et al. Financiamento da educação e remuneração docente: começo de conversa em tempos de piso salarial. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p. 341-363, maio/ago. 2009.

CAMARGO, Rubens Barbosa; JACOMINI, Márcia Aparecida. Carreira e salário do pessoal docente da Educação Básica: algumas demarcações legais. Educação em Foco, Belo Horizonte, n. 17, p. 129-167, jul. 2011.

DAVIES, Nicholas. FUNDEB: a redenção da educação básica? Campinas: Autores Associados, 2008.

DUTRA JÚNIOR, Adhemar Ferreira et al. Plano de carreira e remuneração do magistério público: LDB, Fundef, Diretrizes nacionais e nova concepção de carreira. Brasília: Fundescola/MEC, 2000.

GATTI, Bernardete Angelina; BARRETO, Elba Siqueira de Sá; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

GOUVEIA, Andréa Barbosa et al. Condições de trabalho docente, ensino de qualidade, e custo-aluno-ano. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 253-276, jul./dez. 2006.

JACOMINI, Márcia Aparecida; PENNA, Marieta Gouvêia de Oliveira. Carreira docente e valorização do magistério: condições de trabalho e desenvolvimento profissional. Pro-posições, Campinas, v. 27, n. 2, p. 177-202, maio/ago. 2016.

MINHOTO, Maria Angélica Pedra; GIGLIO, Célia Maria Benedicto. Plano de cargos, carreira e remuneração do magistério público municipal de Boa Vista (RR): uma análise da valorização e do estímulo ao trabalho docente. Jornal de Políticas Educacionais, Curitiba, v. 5, n. 10, p. 36-45, ago./dez. 2012.

MONLEVADE, João Antônio Cabral de. Valorização salarial dos professores: o papel do Piso Salarial Profissional Nacional como instrumento de valorização dos professores da educação básica pública. 2000. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. Os trabalhadores da educação e a construção política da profissão docente no Brasil. Educar em Revista, Curitiba, n. especial, p. 17-35, 2010.

PARO, Vitor Henrique. Crítica da estrutura da escola. São Paulo: Cortez, 2011.

RIO DE JANEIRO. Lei municipal nº 94, de 14 de março de 1979. Dispõe sobre o Estatuto dos Funcionários Públicos do Poder Executivo do Município do Rio de Janeiro e dá outras providências. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1979.

RIO DE JANEIRO. Lei Municipal nº 1881, de 23 de julho de 1992. Dispõe sobre o plano de cargos, carreiras e remuneração dos servidores da Secretaria Municipal de Educação. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1992.

RIO DE JANEIRO. Lei nº 2.391, de 8 de dezembro de 1995. Institui o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Profissionais do Magistério Público e de Apoio à Educação. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1995.

RIO DE JANEIRO. Decreto nº 17042 de 30 de setembro de 1998. Dispõe sobre a concessão de gratificação de encargos especiais aos integrantes do quadro de pessoal de apoio à educação. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.

RIO DE JANEIRO. Decreto nº 19617 de 6 de março de 2001. Dispõe sobre a concessão do benefício-alimentação aos servidores municipais da Administração Direta, Indireta e Fundacional e demais procedimentos a serem adotados. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

RIO DE JANEIRO. Decreto nº 23020 de 17 de junho de 2003. Dispõe sobre a gratificação pelo exercício de atividades em unidades escolares situadas em local de difícil acesso. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

RIO DE JANEIRO. Lei municipal nº 4.814 de 18 de abril de 2008. Dispõe sobre as categorias funcionais que menciona. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

RIO DE JANEIRO. Decreto nº 30.543 de 18 de março de 2009. Regulamenta as atividades assistenciais do Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

RIO DE JANEIRO. Lei Orgânica do Município. Rio de Janeiro: Centro de Estudos da Procuradoria-Geral do Município, 2010.

RIO DE JANEIRO. Lei Municipal nº 5623, de 1 de outubro de 2013. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos funcionários da Secretaria Municipal de Educação. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013a.

RIO DE JANEIRO. Plano de cargos, carreira e remuneração da Educação. Prefeitura municipal do Rio de Janeiro, 2013b.

ROLNIK, Raquel. Apresentação – As vozes das ruas: as revoltas de junho e suas interpretações. In: MARICATO, Ermínia et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013. p. 7-12.

SECCO, Lincoln. Jornadas de Junho. In: MARICATO, Ermínia et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013. p. 71-78.

SEPE. Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro. Boletim do Sepe, Rio de Janeiro, 2013a.

SEPE. Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro. Rede Municipal mantém greve e faz passeata com 20 mil. Boletim do Sepe, Rio de Janeiro, 2013b.

SEPE. Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro. Mais de 50 mil nas ruas em defesa da educação e contra a violência do Estado. Boletim do Sepe, Rio de Janeiro, 2013c.

SOUZA, Ângelo Ricardo de et al. Planos de Carreiras da Rede Estadual de Ensino do Paraná e Rede Municipal de Ensino de Curitiba: um exercício comparativo. Educação em Foco, Belo Horizonte, v. 15, n. 19, p. 301-330, jun. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fineduca adota o formato de publicação contínua.

 

Fontes de Indexação:

LATINDEX

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.