A oferta do Ensino Fundamental no contexto do FUNDEB

Rosana Evangelista da Cruz, Aline Kazuko Sonobe

Resumo


O artigo analisa o impacto do FUNDEB na oferta do Ensino Fundamental no Brasil, com base na evolução das matrículas, nas taxas de matrícula e atendimento escolar e na participação de estados e municípios na oferta dessa etapa de ensino, de 2007 a 2019. A metodologia do estudo envolveu revisão bibliográfica e análise documental da legislação e dos dados educacionais (INEP e IBGE). Os resultados informam que, no período em análise, houve queda de 24% nas matrículas, sendo mais acentuada no Nordeste. Apesar da referida queda, houve o crescimento dos indicadores de acesso, em que pese o não alcance da universalização do Ensino Fundamental. O FUNDEB deu continuidade ao movimento de municipalização, principalmente nos anos iniciais e nas regiões Norte e Nordeste. Nos anos finais, embora com crescimento significativo na maior parte das Unidades da Federação, a oferta manteve-se estadualizada em Roraima, Tocantins, Acre, Rondônia, Amapá, Paraná, Mato Grosso, São Paulo e Goiás.


Palavras-chave


Política Educacional. Financiamento da Educação. FUNDEB. Ensino Fundamental. Indicadores de Acesso e Participação.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRÚCIO, Fernando Luís. Coordenação Federativa no Brasil: uma experiência do período FHC e os desafios do governo Lula. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 24, p. 41-67, jun. 2005. Dossiê Federalismo.

ALVES, Thiago; SILVEIRA, Adriana A. Dragone; SCHNEIDER, Gabriela. Financiamento da Educação Básica: o grande desafio para os municípios. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 26, p. 391-413, maio/ago. 2019.

AMARAL, Nelson Cardoso. O Fundeb em uma perspectiva comparada com o financiamento da educação básica nos países da OCDE e do BRICS. Em Aberto, v. 28, n. 93, p. 67-84, jan./jun. 2015.

ARAÚJO, Raimundo Luiz Silva. Limites e possibilidades da redução das desigualdades territoriais por meio do financiamento da educação básica. 2014. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

ARELARO, Lisete; JACOMINI, Márcia; KLEIN, Sylvie. B. O ensino fundamental de nove anos e o direito à educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 35-51, jan./abr. 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2020.

BANCO MUNDIAL. Relatório n. 24.413 – BR. Educação Municipal no Brasil – Recursos, Incentivos e Resultados. Relatório de Políticas. v. 1 20 p. v. 2 113 p. Brasil: Banco Mundial, 2003.

BARRETO, Elba Siqueira de Sá; ARELARO, Lisete Regina Gomes. A municipalização do ensino de 1º grau: tese controvertida. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, n. 11, p. 193-210, jan./dez. 1985. Disponível em:

/36082>. Acesso em: 6 jul. 2020.

BASSI, Marcos; FERNANDES, Maria Dilnéia Espíndola; ROLIM, Rosana Maria Gemaque (Org.). Remuneração de Professores da Educação Básica das Redes Municipais de Ensino no Contexto do FUNDEB e do PSPN. Paraná: Appris, 2018.

BRAGA, Marcus Vinicius de Azevedo. Conselhos do FUNDEB: participação e fiscalização no controle social da educação. Curitiba: Editora Appris, 2015.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 1971. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, 1988. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2017.

BRASIL. Emenda Constitucional n° 14, de 12 de setembro de 1996. Modifica os artigos 34, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e da nova redação ao artigo 60 do ato das disposições constitucionais transitórias. Diário Oficial da União, Brasília, 1996a. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2019.

BRASIL. Lei Complementar n° 87, de 13 de setembro de 1996. Dispõe sobre o imposto dos Estados e do Distrito Federal sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, e dá outras providências. (LEI KANDIR). Diário Oficial da União, Brasília, 1996b. Disponível em: . Acesso em: 6 jul. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 1996c. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.424, de 24 de dezembro de 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, na forma prevista no art. 60, § 7º, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 1996d. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2001. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 11.114, de 16 de maio de 2005. Altera os arts. 6º, 30, 32 e 87 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com o objetivo de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, 2005. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 11.274, de 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, 2006a. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2020.

BRASIL. Emenda Constitucional n° 53, de 19 de dezembro de 2006. Dá nova redação aos artigos 7º, 23, 30, 2006, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao artigo 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Diário Oficial da União, Brasília, 2006b. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2020.

BRASIL. Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, de que trata o art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; altera a Lei no 10.195, de 14 de fevereiro de 2001; revoga dispositivos das Leis nos 9.424, de 24 de dezembro de 1996, 10.880, de 9 de junho de 2004, e 10.845, de 5 de março de 2004; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2007. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2020.

BRASIL. Emenda Constitucional n° 59, de 11 de novembro de 2009. Diário Oficial da União, Brasília, 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2018.

CAMARGO, Rubens Barbosa de; JACOMINI, Márcia Aparecida. Remuneração de professores de escolas públicas no contexto do FUNDEF. In: GOUVEIA, Andrea Barbosa; PINTO, José Marcelino de Rezende; FERNANDES, Maria Dilnéia Espíndola (Org.). Financiamento da Educação no Brasil: os desafios de gastar 10% do PIB em dez anos. Campo Grande: Ed. Oeste, 2015. p. 225-256.

CASTRO, Jorge Abrahão de; DUARTE, Bruno de Carvalho. Descentralização da Educação pública no Brasil: evolução dos gastos e matrículas. 2007. 25 f. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2020.

DAVIES, Nicholas. O FUNDEF e as verbas da educação. São Paulo: Xamã, 2001.

DAVIES, Nicholas. Controle estatal ou social das verbas da educação? In: PINTO, José Marcelino de Rezende; SOUZA, Silvana Aparecida de (Org.). Para onde vai o dinheiro? Caminhos e descaminhos do financiamento da educação. São Paulo: Xamã, 2014. p. 133-146.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico - 2000, 2010. População por faixa etária. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. 2018. População por faixa etária. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Taxa de Escolarização - Grupo de idade: estudantes (7 a 14 anos) em 2006. Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2020.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório do 2º ciclo de monitoramento das metas do Plano Nacional de Educação 2018. 2. ed. Brasília: Inep/Mec, 2019. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2020.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório do 3º ciclo de monitoramento das metas do Plano Nacional de Educação 2020. Brasília: Inep/Mec, 2020a. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2020.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Microdados do Censo Escolar - 1996, 2006, 2007, 2013 e 2019. Brasília, 2020b. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2020.

LOYOLA, Paulo. Autonomia municipal e interdependência federativa: uma análise sobre as mudanças ocorridas no acesso e nos gastos em educação no Brasil (2000 - 2014). Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 140, p. 767-790, jul. 2017.

MARTINS, Paulo de Sena. FUNDEB, Federalismo e Regime de Colaboração. Campinas: Autores Associados, 2011.

MILITÃO, Silvio Cesar Nunes. O FUNDEB e a municipalização do ensino fundamental em São Paulo: novo fundo, velhas tendências. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, v. 22, n. 41, set./dez. 2012.

MONLEVADE, João; FERREIRA, Eduardo. O FUNDEF e seus pecados capitais. Ceilândia: Idéa, 1998.

NASCIMENTO, Iracema Santos (Org.). Fundeb pra Valer! A incidência política da Campanha Nacional pelo Direito à Educação na criação do Fundo da Educação Básica. São Paulo: Chiado, 2019.

PINTO, José Marcelino de Rezende. Um fundinho chamado “Fundão”. In: DOURADO, Luiz Fernandes (Org.). Financiamento da Educação Básica. Campinas: Editora Autores Associados; Goiânia: Editora da UFG, 1999. p. 86-98.

PINTO, José Marcelino de Rezende. A política recente de fundos para o financiamento da educação e seus efeitos no pacto federativo. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 877-897, out. 2007.

PINTO, José Marcelino de Rezende. Financiamento da educação básica. A divisão de responsabilidades. Retratos da Escola, Brasília, v.6, n. 10, p. 155-172, jan./jun. 2012.

PINTO, José Marcelino de Rezende. O financiamento da educação na constituição federal de 1988: 30 anos de mobilização social. Educação & Sociedade, Campinas, v. 39, n. 145, p. 846-869, dez. 2018.

PINTO, José Marcelino de Rezende; ALVES, Thiago. O impacto financeiro da ampliação da obrigatoriedade escolar no contexto do Fundeb. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 36, n. 2, p. 605-624, maio/ago. 2011.

PRADO, Sérgio (Org.). Partilha de recursos na Federação Brasileira. São Paulo: Fundap/Fapesp/IPEA, 2003. (Coleção Federalismo no Brasil).

UFPR. Universidade Federal do Paraná. Laboratório de Dados Educacionais. Número de matrículas – 2007, 2013, 2019. Curitiba, 2020. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2020.

UFPR. Universidade Federal do Paraná. Laboratório de Dados Educacionais. Taxa de atendimento escolar – 2007, 2013, 2015. Curitiba, 2016a. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2020.

UFPR. Universidade Federal do Paraná. Laboratório de Dados Educacionais. Taxa de matrícula líquida – 2007, 2013, 2015. Curitiba, 2016b. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2020.

UFPR. Universidade Federal do Paraná. Laboratório de Dados Educacionais. Taxa de matrícula bruta – 2007, 2013, 2015. Curitiba, 2016c. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2020.

UFPR. Universidade Federal do Paraná. Laboratório de Dados Educacionais. População fora da escola – 2007, 2015. Curitiba, 2016d. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fineduca adota o formato de publicação contínua.

 

Fontes de Indexação:

LATINDEX

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.