Recursos Federais para a Educação Básica: pacto federativo e os municípios

Antônio Cláudio Andrade dos Reis, Vera Lúcia Jacob Chaves

Resumo


O artigo analisa a magnitude dos recursos federais geridos pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), destinados à rede municipal de ensino, identificando o sentido da descentralização das ações do governo central no processo de interação entre os entes federados, com destaque para a rede municipal de ensino. Utilizou-se a metodologia quanti-qualitativa com base em dados documentais e estatísticos. Constatou-se que a redução dos gastos públicos via descentralização esconde o fato do não cumprimento do papel redistribuidor da União, sobrecarregando os demais entes federados, que devem racionar seus recursos, aumentar o número de matrículas nas escolas, sobretudo municipais, sem o devido aumento do aporte financeiro.


Palavras-chave


Política Educacional. Descentralização. Financiamento da Educação Básica. FNDE.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Janete Maria Lins. A educação como política pública. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2004.

BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, 5 out. 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Módulo competências básicas. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Brasília: MEC; FNDE; SEED, 2006.

BRASIL. Tesouro Nacional, Estimativa da carga tributária bruta no Brasil, Ministério da Fazenda, Brasília, 2018a.

BRASIL. Receita Federal, Carga Tributária no Brasil, Análise por tributos e bases de incidências, CETAD – Centro de estudos tributários e aduaneiros, Ministério da Fazenda, Brasília, nov. 2018b.

COSTA, Fábio Luciano Oliveira. As reformas educacionais na América Latina na década de 1990. Ver a Educação, v. 12, n. 1, p. 65-68, jan./jun. 2011.

CRUZ, Rosana Evangelista da. Os recursos federais para o financiamento da educação básica. Revista de financiamento da educação FINEDUCA, v. 2, n. 7, 2012.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Educação e crise: Perspectiva para o Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, out./dez. 2010.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

GENTILI, Pablo. Neoliberalismo e Educação: manual do usuário. In: SILVA, Tomaz Tadeu da; GENTILI, Pablo. Escola S/A: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília: CNTE, 1996.

HAYEK, Friedrich August Von. Os fundamentos da liberdade. São Paulo: Visão, 1983.

LOCATELLI, Cleomar. A política de descentralização na educação brasileira: resultados e consequências. In: JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS – JOINPP, 5., 2011, UFMA. Anais... 2011.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Tradução de Paulo Cezar Castanheira, Sérgio Lessa. São Paulo: Boitempo, 2011.

RIVAS, R. H. Política de Descentralização em la educación básica y média em América Latina: estado del arte. Santiago: UNESCO/REDUC, 1991.

SAVIANI, Demerval. Sistema Nacional de Educação e Plano Nacional de Educação: significado, controvérsias e perspectivas. Campinas: Autores Associados, 2014.

SILVA, Maria Abadia da. A hegemonia do Banco Mundial na formulação e no gerenciamento das políticas educacionais. Revista Nuances: Estudo sobre educação, São Paulo, UNESP, v. 6, 2000.

SOUZA, Donaldo Bello de; FARIA Lia Ciomar Macedo de. Políticas de financiamento da educação municipal do Brasil (1996-2002): das disposições legais equalizadoras às políticas políticos-institucionais excludentes. Ensaio: Avaliação e Políticas públicas em educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 42, p. 564-582, jan./mar. 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fineduca adota o formato de publicação contínua.

Não há taxas para submissão, avaliação e publicação de artigos.

 

Fontes de Indexação:

LATINDEX

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.