Remuneração Docente de Professores Públicos Municipais: a ideologia partidária como categoria de análise (2008-2016)

Marcus Quintanilha da Silva

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar o panorama da remuneração docente de professores públicos municipais durante duas administrações, 2009-2012 e 2013-2016, considerando como categoria de análise o posicionamento ideológico dos partidos políticos dos prefeitos no que tange à valorização da remuneração docente. A abordagem metodológica consistiu em uma análise quantitativa da remuneração docente de 1328 municípios que tiveram continuidade ideológica de gestão no período analisado, utilizando informações dos anos de 2008, 2010, 2012, 2014 e 2016, precedida de uma análise documental que pudesse situar os partidos políticos nos espectros ideológicos da esquerda, centro e direita. Os resultados indicaram nuances de influência ideológica na valorização da remuneração docente, bem como especificidades regionais nesse processo.


Palavras-chave


Remuneração docente. Financiamento da educação. Política Educacional. Partidos Políticos. RAIS.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, R. L. S. Limites e possibilidades da redução das desigualdades territoriais por meio do financiamento da educação básica. 2013. 401 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

AVRITZER, L. Impasses da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

AZEVEDO, J. M. L. Implicações da nova lógica de ação do Estado para a educação municipal. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 49-71, set. 2002.

BOBBIO, N. O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. 13. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

BRAGA, C. M. O caráter nacional dos partidos políticos na federação brasileira. 2009. 146 f. Dissertação (Mestrado em Direito do Estado) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 1988.

BRASIL. Lei Complementar n. 101, de 04 de maio de 2000. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 05 mai. 2000.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 53, de 19 de dezembro de 2006. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 dez. 2006.

BRASIL. Lei nº 11.494 de 20 de junho de 2007. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 21 jun. 2007.

BRASIL. Lei n. 11.738, de 16 de julho de 2008. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 17 jul. 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara da Educação Básica. Resolução n. 2 de 28 de maio de 2009. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 29 maio 2009.

BRASIL. Lei n. 13.091 de 12 de janeiro de 2015. Dispõe sobre o subsídio de Ministro do Supremo Tribunal Federal, referido no inciso XV do art. 48 da Constituição Federal; revoga dispositivo da Lei n o 12.771, de 28 de dezembro de 2012; e dá outras providências. 2015. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 13 jan. 2015

BRASIL. Ministério da Educação. Relatório de cumprimento do piso salarial profissional nacional pelos entes federativos. Brasília, 2016.

BRASIL. Ministério da Justiça. Tribunal Superior Eleitoral. Partidos Políticos 1965 - 2018. Brasília, 2018. Disponível em: http://www.tse.jus.br/partidos/partidos-politicos/registrados-no-tse. Acesso em: 22 set. 2019.

CAMARGO, R. B.; JACOMINI, M. A. Carreira e salário do pessoal docente da educação básica: algumas demarcações legais. Educação em foco, Belo Horizonte, ano 14, n. 17 p. 129-167, jul. 2011.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Tradução de Ana Cristina Nasser. Coleção Sociologia. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 295-316.

EV, L. S. Quem são e pelo que competem os pequenos partidos no Brasil. 2015. 148 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

FERNANDES, M. D. E. A valorização dos profissionais da educação básica no contexto das relações federativas brasileiras. Educação & Sociedade, Campinas, v. 34, p. 1095-1111, 2013.

GALVÃO, D. G. Crise de representatividade dos partidos políticos no Brasil (2000 – 2015). 2016. 85 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2016.

GOUVEIA, A. Partidos políticos e trajetórias da política educacional: um estudo sobre a administração do PFL em Curitiba e do PT em Londrina (2001 – 2004). 2008. 270 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

GROCHOSKA, M. A. Políticas educacionais e a valorização do professor: carreira e qualidade de vida dos professores de educação básica do município de São José dos Pinhais/PR. 2015. 269 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

HECK, B. T. M. A carreira das educadoras da Educação Infantil no município de Curitiba: Integração com a educação ou consolidação na marginalização? 2014. 221 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

KINZO, M. D. G. Partidos, eleições e democracia no Brasil pós-1985. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 19, p. 23-40, 2004.

LEVITSKY, S.; ZIBLATT, D. Como as democracias morrem. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

MASSON, G. Requisitos essenciais para a atratividade e a permanência na carreira docente. Educação & Sociedade, Campinas, v. 38, n. 140, p.849-864, jul./set. 2017.

MULLER, P.; SUREL, Y. Análise das políticas públicas. Tradução de Agemir Bavaresco e Alceu Ravanello Ferraro. Coleção Desenvolvimento Social. Pelotas: Educat, 2002.

NOVO. Posicionamentos. 2018. Disponível em: https://novo.org.br/posicionamentos/. Acesso em: 29 jul. 2018.

OLIVEIRA, F. Surgimento do antivalor. In: OLIVEIRA, F. (Org.). Os direitos do antivalor: a economia política da hegemonia imperfeita. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 19-48.

POGGI, G. A evolução do Estado Moderno: uma introdução sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

PRZEWORSKI, A. Capitalismo e social-democracia. Tradução de Laura Teixeira Motta. São Paulo: Editora Schwarcz, 1989.

RAIS. Relação Anual de Informações Sociais. Base de dados. Brasília: Ministério do Trabalho, 1930. Disponível em: http://www.rais.gov.br/sitio/index.jsf. Acesso em: 11 jan. 2019.

SALVADOR, E. Fundo público e políticas sociais na crise do capitalismo. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 104, p. 605-631, out./dez. 2010.

SELZ, M. O raciocínio estatístico em sociologia. In: PAUGAM, Serge (Coord.). A pesquisa sociológica. Petrópolis: Vozes, 2015.

SENADO FEDERAL. Partidos políticos brasileiros: programas e diretrizes doutrinárias. Brasília: Coordenação de Edições Técnicas, 2014.

SILVA, M. Q. da. Remuneração de professores públicos municipais no Brasil: execução orçamentária, partidos públicos e valorização docente (2008 – 2016). 2019. 247 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2019.

SOUZA, A. R. Perfil da gestão da escola no Brasil. 2007. 302 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontificia Universidade Católica, São Paulo, 2007.

SOUZA, A. R. A política educacional e seus objetos de estudo. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, v. 1, n. 1, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fineduca adota o formato de publicação contínua.

 

Fontes de Indexação:

LATINDEX

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.