Os Atlas Anatômicos como Pedagogia Cultural e o Pós-Vida das Imagens

Valéria Cazetta, Régia Cristina Oliveira, Jonathan Mendes Tavares

Resumo


Os atlas anatômicos, ao forjarem formas físicas únicas do corpo humano, partindo de uma coerência objetiva entre os órgãos e suas funções, cumprem a tarefa de manter, via imagens anatômicas, certa ideia de corpo e de sujeito. Ao pensarmos a corporeidade como composição de forças biológicas e culturais, as formas por meio das quais ela é apresentada não coincidem com o corpo biológico nem com sua ordem estruturante, mas, antes, constituem-se como um mapa em aberto, conectando linhas que se movem na imanência dos processos vitais. Objetivamos apresentar, neste texto, tais atlas como pedagogia cultural, dado que, no contexto atual, todos os artefatos tornam-se pedagógicos, ao mesmo tempo em que são culturais.

 

Palavras-chave


Atlas Anatômico; Imagens Médicas; Pedagogias Culturais; Estudos Culturais em Educação



Direitos autorais 2019 Valéria Cazetta, Régia Cristina Oliveira, Jonathan Mendes Tavares

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo