Adolescência e o Ocupa Escola: retorno de uma questão?

Luciana Gageiro Coutinho, Maria Cristina Poli

Resumo


O artigo aborda a operação da adolescência em contextos que possibilitam a subversão discursiva e o questionamento do lugar de mestria no laço social. Para tanto, focaliza-se o movimento Ocupa Escola e são tecidas aproximações com o movimento de maio de 1968. Na interface entre a psicanálise, a educação, e a política, analisa-se os laços sociais presentes nas ocupações de escolas, seja através da concepção de fratria, extraída do paradigma freudiano, seja pela proposição dos discursos em Lacan. As ocupações permitem pensar sobre a possibilidade de instauração de novos modos de fazer laço dentro da escola, protagonizados pelos adolescentes, que dão lugar ao desejo e ao singular na transmissão do saber.

 

Palavras-chave


Adolescência; Psicanálise; Educação; Laço Social; Movimentos Juvenis



Direitos autorais 2019 Luciana Gageiro Coutinho, Maria Cristina Poli

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo