Deslimites da Palavra em Manoel de Barros: literatura menor e infância

Fabiano de Oliveira Moraes, Sandra Kretli da Silva

Resumo


Com o intuito de potencializar o devir-nômade que pulsa nas escolas e subversa os currículos, o artigo lança mão dos conceitos de literatura menor, língua menor, desterritorialização, reterritorialização, nomadismo, linhas molares, moleculares e de fuga, espaços liso e estriado, e máquina de guerra nômade (Deleuze, Guattari e Parnet), e de inutileza, inutensílio, infância, invenção, deslimite da palavra e idioleto manoelês (Barros) com o objetivo de problematizar os conceitos de lúdico, brincadeira e seriedade, e provocar possíveis produções de sentido a partir dos balbucios e gaguejos de crianças do 2º Ano em seu processo de reinvenção de uma linguagem estrangeira dentro de uma língua maior, em textos produzidos em uma oficina de leitura.

 

Palavras-chave


Currículos; Infância; Literatura; Manoel de Barros



Direitos autorais 2019 Educação & Realidade

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo