Ativismo da Juventude no Chile: das desigualdades educacionais urbanas às experiências de convivência e de solidariedade

Ivette Hernandez Santibañez

Resumo


Este artigo examina as geografias do ativismo político da juventude no Chile. Defende que uma identidade espacial histórica da educação pública, sendo motor da mobilidade da classe trabalhadora e da classe média e fazendo a interseção tanto com contextos de combinação social como com uma desigualdade educacional urbana histórica, fornece uma lente diferente para compreender o ativismo da juventude. Este artigo procura analisar os vínculos entre estas espacialidades da educação pública e as diferentes geografias do ativismo da juventude como espaços de convivência e como práticas de solidariedade. Reflete sobre a necessidade de que os debates continuados a respeito da educação para a cidadania envolvam estas geografias do ativismo da juventude, com a finalidade de compreender plenamente a importância da participação política da juventude nas agendas neoliberais da educação voltada para o mercado.

 

Palavras-chave


Movimento Estudantil Chileno; Ativismo da Juventude; Educação Pública; Cidadania



Direitos autorais 2018 Educação & Realidade

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo