Amarrando diferentes faces do saber: cotidiano, brincadeira e educação do povo da Barra

Carmem Maria Aguiar

Resumo


Este artigo traça os contornos mais marcantes do processo que resultou em uma espécie rudimentar de casamento entre a formalidade do ensino escolar e a informalidade do trabalho educativo estabelecido entre mestre e aprendizes, em uma comunidade semi-isolada. Para a escola funcionar, foi preciso ajustar o conteúdo e os procedimentos da educação formal a um processo tradicional, radicalmente diferente, de aquisição e transmissão de conhecimentos - em que as brincadeiras exercem uma função social e pedagógica fundamental. Embora não sirva indistintamente como modelo referencial- entre outros motivos, por se tratar de um reduto cultural especifico, com caracteristicas bastante particulares - é importante observar o modo exemplar com que pais, professoras e crianças, interferem no trabalho na escola, valorizando seu conteúdo, a partir da sua concepção de vida, sua história e crenças.


Palavras-chave


educação; cultura; aprendizagem; escola; brincadeiras

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2017 Carmem Maria Aguiar

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo