O que a natureza vende? Um olhar sobre as representações de natureza no discurso publicitário

Marise Basso Amaral

Resumo


O presente artigo, através da análise de duas peças publicitárias, tenta problematizar a utilização de imagens de natureza na divulgação dos mais diversos produtos (carros, pneus, leite, inseticidas, shampoo, roupas e sapatos). Esta se dá no sentido de reconhecer que as imagens de natureza "capturadas" pela cultura dos anúncios publicitários passam a integrar uma rede simbólica que produz representações de uma natureza, às vezes romântica, pura e benevolente, outras vezes primitiva, inóspita e distante, e, na maioria das vezes, uma natureza-recurso, natureza-objeto, contraponto negativo de tudo aquilo que a cultura e o consumo podem nos oferecer. Entendo o discurso publicitário como uma importante produção cultural e pedagógica de nosso tempo que nos ensina através de suas representações naturalizadas de natureza, de homem, de raça, de mulher, de trabalho, de sucesso, como nos relacionamos com e nos posicionamos no mundo ao nosso redor.


Palavras-chave


Representações culturais, estudos de mídia, natureza, Estudos Culturais, publicidade

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2017 Editoria Educação & Realidade

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo