Representações de Corpo-Identidade em Histórias de Vida

Nádia Geisa Silveira de Souza

Resumo


Considerando questões centrais das versões pós-estruturalistas dos Estudos Culturais e proposições
de Foucault, interroguei o binarismo corp% rganismo instituído pelo regime da
Biologia. As práticas discursivas das disciplinas, ao legitimarem os conhecimentos "verdadeiros",
desconsideram os demais saberes - os "falsos" -, vêm atuando mais no
ordenamento e controle das pessoas do que na produção de saberes relevantes. A partir
de narrativas de professores/as de Biologia sobre momentos significativos, na família,
busquei olhar nos corpos, para além do regime da Biologia, e perceber como outras
práticas culturais vêm participando da transformação da materialidade humana naquilo
que nomeamos o corpo especialmente, neste estudo, da Mulher, da Mãe, do Feminino, e
interrogar esses estereótipos que precedem e atravessam os corpos, fabricando as pessoas.


Palavras-chave


Representação. Corpo. Mulher. Biologia. Identidade. Organismo. Histórias de Vida.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo