Corpo, Escola e Identidade

Autores

  • Guacira Lopes Louro

Palavras-chave:

Corpo. Construcionismo Social. Sexualidade. Identidades "Normais" e Identidades "Marcadas"

Resumo

Na tradição dualista, natureza e cultura
estão separadas, e o corpo, localizado no âmbito da natureza, é negado na instância
da cultura. Argumento contra esse pensamento dicotômico. Centralizando a análise
nas dimensões de gênero e sexualidade, passo em revista teorizações que vão do
determinismo biológico ao construcionismo social, buscando problematizar o uso
genérico e banalizado da expressão "construção social". Assumo que, tal como o gênero,
a raça ou a classe, a sexualidade também precisa ser compreendida no âmbito da história
e da cultura. Em conseqüência, algumas identidades gozam de privilégios, legitimidade,
autoridade; outras são representadas como desviantes, ilegítimas, alternativas. Fazendo
uso de depoimentos e registros etnográficos, demonstro como se dá a produção de
identidades "normais" e identidades "marcadas"; comentando, finalmente, os desafios
que a multiplicidade de grupos e "tribos" juvenis coloca para as análise dicotômicas e
polarizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Arquivos adicionais

Publicado

2014-09-24

Como Citar

Louro, G. L. (2014). Corpo, Escola e Identidade. Educação &Amp; Realidade, 25(2). Recuperado de https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/46833

Edição

Seção

Produção do Corpo