Professoras Transexuais e Travestis no Contexto Escolar: entre estabelecidos e outsiders

Marco Antônio Torres, Marco Aurélio Prado

Resumo


Neste artigo debatemos questões envolvidasna emergência de professoras transexuais femininas ou travestis na escola.Utilizamos a noção de outsiders e de heteronormatividade para analisarcomo essas professoras permanecem na função docente. Consideramosque a emergência dessas professoras está relacionada a novos posicionamentosreferentes às noções de gênero nas políticas de direitos humanos,especificamente pelas lutas do movimento social. Por fim, afirmamos quea emergência dessas professoras não pode ser compreendida como suspensãoda heteronormatividade, mas como o aparecimento de novas questõespara se analisar no ambiente escolar. artigo debatemos os aspectos sociais envolvidos na emergência de professoras trans na escola. Analisamos, pela categoria teórica estabelecidos-outsiders, como essasprofessoras se posicionam frente à homofobia e em relação às instáveis articulações entre militância LGBT e posições acadêmicas, bem como nos dissensos entre posições sexuais identitárias e pós-identitárias. Por fim, consideramos como aemergência de professoras trans pode acirrar posicionamentos referentes às noções de gênero, direitos humanos e cidadania LGBT. Assim, a existência desses sujeitos não pode ser compreendida como suspensão da heteronormatividade, mas sim como surgimento de novas formas de subalternização dos indesejáveis no ambiente escolar.

 


Palavras-chave


Educação. Professoras. Transexualidades. Heteronormatividade.

Texto completo:

Acesso ao artigo


Direitos autorais

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo