Foucault e a Escrita da História: reflexões sobre os usos da genealogia

Inés Dussel

Resumo


Escrever geneaologias tem se tornado moda entre os historiadores da educação. Contudo, nem sempre é levado em conta que não se trata de uma tarefa simples. As relações entre Foucault e os historiadores foram, no mínimo, ambíguas e sua recepção neste campo tem suscitado resistências e controvérsias. Como em muitos outros casos, pode-se dizer que Foucault é mais criticado do que lido. No presente artigo, propomo-nos uma revisão detalhada de dois de seus textos em que é colocado em prática o método genealógico: uma série de conferências proferidas entre 1975 e 1976, chamadas “Genealogia do racismo”, e o segundo volume da História da sexualidade. Consideramos que a análise dessas aproximações pode nos fornecer mais pistas sobre o que é e como se escreve uma geneaologia, as perguntas que a orientam, como também os desafios que encontra.

Palavras-chave


Foucault, genealogia, historia da educação, escrita.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo