Civitas, a Cidade Viva: ou de um espaço para o acontecimento-invenção na escola

Margarete Axt

Resumo


O presente artigo indaga a respeito de alguns efeitos da inserção das tecnologias na Educação Básica, a partir da experiência que o laboratório de Estudos em Linguagem Interação e Cognição (LELIC/UFRGS) vem realizando com o projeto CIVITAS – Cidades Virtuais com Tecnologias para Aprendizagem e Simulação, em especial a sua interface extensionista voltada para a formação continuada em serviço. A proposta do projeto integra, junto à Extensão, as instâncias de Pesquisa e Docência no Ensino Superior, num processo de circularidade complexa e de mútua realimentação. O projeto tem uma expectativa de poder pensar, em conjunto com professores e crianças, a Cidade Viva, propondo assim uma outra interface com o currículo de Séries Iniciais. Nesse sentido, pretende constituir, ao lado de outros, um espaço alternativo de acontecimento-invenção na escola.

Palavras-chave


informática na educação, tecnologias digitais e educação a distância, sentido e autoria coletiva, formação de professores e currículo.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo