Enunciação e Representação: da construção mítica à possibilidade enunciativa

Maira Fabiana Brauner

Resumo


Este artigo trata de analisar os modos de representação do sujeito no campo da educação, a partir das marcas de enunciação assinaladas na produção gráfica das crianças, entendendo esses processos como formas possíveis de subjetivação. As questões suscitadas nesta discussão, partem num primeiro momento, da recorrência a historiadores gregos, tal como nos coloca Hartog especificamente a respeito de Heródoto e Tucídides, em seu livro intitulado O espelho de Heródoto, para os quais o olho e o ouvido caracterizam-se como os elementos chaves dos processos de representação e enunciação; num segundo momento, busco relacionar esses elementos ao trabalho da criança em processo de alfabetização, relativo à fabricação e à construção mítica do si mesmo para poder conquistar uma possibilidade de enunciação, tomando a produção gráfica da criança como instrumento e forma de representação.

Palavras-chave


Enunciação/Representação/Educação. Olho/Ouvido. Fazer-ver/Fazer-crer.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo