Morte da Infância Moderna ou Construção da Quimera Infantil?

Autores

  • Dora Lilia Marín-Díaz UFRGS

Palavras-chave:

Infância Moderna. Campo Discursivo. Quimera Infantil.

Resumo

A
emergência, no saber pedagógico da Modernidade, de duas figuras infantis – uma clássica
e outra liberal – e a difusão ampla, massiva e conflitante de práticas relativas à
segunda, no último século, são os argumentos que apresento neste artigo para dialogar
com os discursos sobre a morte da infância moderna e/ou a emergência de uma figura
infantil pós-moderna nas condições contemporâneas. Discuto que tal processo ternos-
ia levado à produção de um amplo campo discursivo sobre a infância e, com ele, à
emergência de uma quimera infantil: uma forma de subjetividade na qual se combinam
os mais heterogêneos, incongruentes e diversos elementos e características que atribuímos
às crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dora Lilia Marín-Díaz, UFRGS

Dora Lilia Marín-Díaz é licenciada em Química pela Universidad Pedagógica
Nacional de Colombia, mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação
em Educação da UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil (bolsista CNPq) e doutoranda
em Educação pela mesma instituição. É bolsista do Programa PEC-PG da CAPES.
E-mail: dora.marin@ufrgs.br

Arquivos adicionais

Publicado

2010-09-24

Como Citar

Marín-Díaz, D. L. (2010). Morte da Infância Moderna ou Construção da Quimera Infantil?. Educação &Amp; Realidade, 35(3). Recuperado de https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/13085

Edição

Seção

Educação Infantil