“LIBERTAÇÃO” E CONHECIMENTO: AUTOTRANSFORMAÇÃO OU VÍNCULO?

Ypuan Garcia

Resumo


Este artigo debate em que medida a qualidade das palavras proferidas
por alguns cristãos brasileiros revela o aspecto vinculativo (comungatório ou de aliança) de sua “libertação”, que é dita “estar em e vir” de Deus, uma afirmação que inquieta o demônio. A localização e a origem dessa liberdade contrapõem-se a supostos corriqueiros de que libertar tenha como componente central a autotransformação. Buscarei problematizar essa diferença através de formas de enunciação disseminadas no Cristianismo: o “testemunho”, a “partilha”, a “direção espiritual”
e a “pregação”. Argumentarei que estas permitem descrever um modo de conhecimento que, em vez de revelar o indivíduo autônomo e emancipado, faz emergir através da “abertura para Deus”, de deixar que Ele “aja” e de reconhecer que não se é “nada sem Ele”, uma pessoa cuja submissão e obediência são os elementos centrais de sua liberdade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8136.88043



Direitos autorais 2018 Ypuan Garcia

Porto Alegre: UFRGS, IFCH, PPGAS, 1997 – Semestral - ISSN 1519-843X – ISSN 1982-8136 (eletrônico) Os conteúdos de Debates do NER estão licenciados em CC BY.