"É DAQUELE QUE VEM DA MATA E DÁ UNS PULOS": O MOVIMENTO DO CABOCLO NA VIDA E NA ESCRITA

Maíra Vale

Resumo


Cachoeira é uma cidade do Recôncavo Baiano palco do protagonismo na guerra pela Independência da Bahia, casa de muitos terreiros de candomblé, morada de uma população majoritariamente negra. Cheia de histórias, a cidade possui uma forte presença da entidade caboclo em seu cotidiano. A proposta deste artigo é pensar como essa presença do caboclo dentro e fora dos terreiros da cidade nos ajuda a refletir sobre escrita etnográfica. Para tanto, buscarei acompanhar as maneiras como o caboclo aparece nas narrativas da história oficial da Bahia como símbolo nacional, na literatura dos Estudos Afro-brasileiros sobre os candomblés de Salvador e do Recôncavo Baiano como entidade marcada por uma multiplicidade e nas ruas da cidade de Cachoeira como uma presença cotidiana. A ideia, assim, é imprimir ao próprio texto o movimento do caboclo – que prescinde de chamado quando chega, vem da mata e, com sua braveza, dá seus pulos.

Palavras-chave


Caboclos; Cachoeira – BA; Narrativas etnográficas; Espiritualidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8136.106257



Direitos autorais 2020 Maíra Vale

Porto Alegre: UFRGS, IFCH, PPGAS, 1997 – Semestral - ISSN 1519-843X – ISSN 1982-8136 (eletrônico) Os conteúdos de Debates do NER estão licenciados em CC BY.