EMPRESAS DE SALVAÇÃO LOCALMENTE GLOBALIZADAS:APROXIMAÇÕES AO ESTUDO DAS MEGA-IGREJAS EVANGÉLICAS

Joaquin Maria Joaquin

Resumo


Resumo: Os processos globalizadores no plano da cultura podem ser compreendidos inicialmente como um trabalho de rearticulação do global e do local em diferentes domínios da sociedade. Este ponto-chave de análise atinge a forma específica em que as organizações religiosas produzem uma síntese histórica entre ambas as dimensões da vida cultural. Seguindo esta perspectiva, o objetivo do presente artigo consiste em explorar os circuitos internos e externos de circulação de uma “mega-igreja” (Gramby-Sobukwe e Hoiland, 2009) evangélica em Buenos Aires, Argentina. O trabalho encontra-se dividido em três partes. Na primeira, propomo-nos indagar em sua estrutura de organização a partir do sistema de integração em “células”. Na segunda, vamos ver como as redes internas definem três posições móveis de sujeito. Por último, na terceira parte, nosso interesse se focaliza no regime de circulação que a igreja estabiliza para dentro e para fora da instituição.

Palavras-chave


neo-pentecostais, mega-igreja, circulação interna e externa

Texto completo:

PDF Resumo


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8136.10160



Direitos autorais

Porto Alegre: UFRGS, IFCH, PPGAS, 1997 – Semestral - ISSN 1519-843X – ISSN 1982-8136 (eletrônico) Os conteúdos de Debates do NER estão licenciados em CC BY.