“A natureza tá gritando e quem está gritando somos nós”: desenvolvimento e racismo no território quilombola Santa Rosa dos Pretos (Itapecuru-Mirim/MA)

Autores

Resumo

Este trabalho busca dialogar com os estudos que envolvem a luta quilombola no Brasil e a titulação de seus territórios em meio aos diversos processos de expropriações de terra na expansão de projetos de desenvolvimento econômico. É enquanto identidade em devir que teceremos reflexões sobre como se resiste a empreendimentos que estão se instalando em áreas já ocupadas pelo povo negro, onde essas instalações atualizam, no presente, processos antigos de racismo. Tomamos, como caso empírico, o território quilombola Santa Rosa dos Pretos, localizado no município de Itapecuru-Mirim, no estado do Maranhão. Durante a pesquisa, fizemos uso de observação direta (in loco), anotações de caderno de campo, etnografias, entrevistas semiestruturadas com pessoas e com os encantados (Tambor de Mina) do território. Nesse contexto, foi nas narrativas das lideranças que fomos tecendo uma análise sobre a resistência em meio aos conflitos ambientais provocados por projetos de desenvolvimento econômico. A gramática dessa relação envolve uma luta constante de permanência no/pelo território quilombola e por justiça social.

Palavras – chave: Racismo; Território; Conflitos ambientais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayanne da Silva Santos, Doutorado em sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Sociologia ambiental. Relações etnico raciais. Estado.

Downloads

Publicado

2020-09-22

Edição

Seção

Artigos