Interpretação, silêncio, ensino

Sheila Elias de Oliveira

Resumo


Tendo como base a concepção de silêncio de Eni Orlandi, este artigo analisa a relação entre ditos e não-ditos na enunciação de um manual de ética em ginecologia e obstetrícia. A autora defende a pertinência de dispositivos de interpretação que levem em conta essa relação na formação crítica dos sujeitos e chama a atenção para o fato de que em tempos de ameaça à democracia essa concepção de silêncio permite compreender o trabalho dos sentidos no funcionamento dos implícitos, anti-implícitos e da censura.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2594-8962.85030

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Conexão Letras - Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Instituto de Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Bairro Agronomia

CEP: 91540-000

www.seer.ufrgs.br/conexaoletras

E-mail de contato: revistaconexao.letras@gmail.com