Língua e romance na globalização

João Cavalcanti Nuto

Resumo


Este ensaio aborda questões linguísticas e culturais associadas à globalização, à língua e ao gênero romance, a fi m de demonstrar que esse gênero literário pode expressar as tensões da globalização. A principal base teórica é o pensamento de Mikhail Bakhtin. No que diz respeito a linguagem este trabalho inicia-se chamando a atenção para a discrepância entre o pensamento linguístico do círculo de Bakhtin e a Linguística Estrutural de Ferdinand de Saussure, enfatizando que os estudos linguísticos baseados no enunciado permitem uma ligação adequada entre o sistema linguístico e a vida social. O ensaio explica a distinção, por Bakhtin, entre forças centrípetas e centrífugas da linguagem e sua relação com a globalização. Ele também explica o conceito do romance de Bakhtin, destacando a relação do gênero como pluralidade dialógica dos discursos, a fim de demonstrar a adequação do romance para representar o mundo globalizado. Teorias da globalização são confrontadas e os problemas relacionados com a globalização são expostos. Seguindo o pensamento de Milton Santos, este ensaio refl ete sobre a possibilidade de uma outra globalização, não só expansiva, mas também integrativa. Ao comentar a situação cultural de certos escritores e as suas tentativas de expressá-la, este ensaio combina pensamento de Bakhtin com as teorias da globalização, a fim de apontar possíveis respostas do romance contemporâneo.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2594-8962.70355

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Conexão Letras - Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Instituto de Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Bairro Agronomia

CEP: 91540-000

www.seer.ufrgs.br/conexaoletras

E-mail de contato: revistaconexao.letras@gmail.com