A construção do sentido de redenção social na carta-testamento de Getúlio Vargas (1954): cristianimo, castilhismo, paganismo e outras tradições discursivas

Alessandra Castilho da Costa

Resumo


Do ponto de vista do Modelo de Tradições Discursivas, um texto pode corresponder a toda uma série de tradições (ou convenções) co-presentes ao mesmo tempo. No presente estudo, buscamos identificar as relações de evocação que se estabelecem entre a carta-testamento de Getúlio Vargas (1954) e outros textos anteriores na História, em especial, o texto bíblico, na construção do sentido de redenção social e na determinação das escolhas linguísticas. Ao dar visibilidade a essas relações intertextuais e interdiscursivas que se estabelecem entre o texto de Vargas e outros textos, busca-se apontar um procedimento de análise, com implicações teóricas, metodológicas e hermenêuticas relevantes para os estudos do texto e do discurso. Uma vez que conhecer a ligação entre o texto e a tradição é essencial para depreender seus entornos, não se pode interpretá-lo apropriadamente a menos que as tradições que o atravessam sejam mapeadas por meio de uma metodologia que estabeleça distinções entre regras da língua e regras do discurso, atualização e evocação, tradição e inovação.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2594-8962.65802

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Conexão Letras - Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Instituto de Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Bairro Agronomia

CEP: 91540-000

www.seer.ufrgs.br/conexaoletras

E-mail de contato: revistaconexao.letras@gmail.com