A constituição de um imaginário de língua homogênea na/pela gramática

Maria Sousa Costa

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de propor uma reflexão sobre os mecanismos discursivos que contribuem para a constituição de um imaginário de homogeneidade da língua na gramática, considerando a forma como o gramático define e designa a língua. Para tanto, reportamo-nos à Moderna Gramática Portuguesa (1977 [1961]), de Evanildo Bechara, renomado gramático brasileiro, para investigar como se dá a relação do sujeito com a língua e com a história na constituição do imaginário de homogeneidade, considerando os efeitos de sentido do que é dito e também do não dito no discurso do gramático.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2594-8962.55449

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Conexão Letras - Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Instituto de Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Bairro Agronomia

CEP: 91540-000

www.seer.ufrgs.br/conexaoletras

E-mail de contato: revistaconexao.letras@gmail.com