Estudos literários e crítica política

Benjamin Abdala Junior

Resumo


Este artigo evidencia uma postura comparatista que exige do
critico a consciência do seu locus enunciativo com sua natureza híbrida,
envolvendo análises multi/interdisciplin ares e politico-culturais. O atual
momento político solicita reconfi gurações de estratégias e repactualizações.
As redes, na atualidade, são planetárias, e envolvem desde as esferas dos recortes do conhecimento até às da geopolítica. Confi guram um mundo de fronteiras múltiplas e as questões identitárias devem ser vistas no plural. Nesse sentido, surge uma outra tendência comparatista, a da chamada “Literatura Mundo”. Se a teorização pós-colonial tem mostrado inclinações genericas para questões politico-sociais, a delimitação do chamado lócus enunciativo e de sua historicidade é imprescindível para uma crítica que pretenda afastar-se da generalidade. É a forma, e a pesquisa universitária tem considerável peso nisso, de se atenuar a hegemonia estabelecida, a continuidade das assimetrias dos fl uxos culturais e também a legitimidade do poder simbólico hegemônico a elas associado.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2594-8962.55128

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Conexão Letras - Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Instituto de Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Bairro Agronomia

CEP: 91540-000

www.seer.ufrgs.br/conexaoletras

E-mail de contato: revistaconexao.letras@gmail.com