A DRAMATURGIA NO TEMPO DO "PÓS-DRAMÁTICO"

Joseph Danan

Resumo


Algo está transformando profundamente o teatro. Hans-Thies Lehmann teve o mérito de nomear esse fenômeno, propondo a noção de "teatro pós-dramático" – mesmo que essa expressão seja discutível na medida em que essas novas formas não necessariamente anulam o drama. O teatro do século XX se baseou no paradigma de uma "arte em dois momentos" (Henri Gouhier). O autor escreve uma peça, depois o diretor a pega e a monta. Essa é a utopia de Artaud, a de um "criador único", que parece tomar forma nesse início do século XXI. A dramaturgia se encontra inevitavelmente afetada por essa evolução: obviamente, em seu primeiro sentido, a arte de escrever uma peça, quando a escrita e a encenação ocorrem no mesmo movimento; mas também em seu sentido moderno, quando o termo se aplica à passagem para a cena de uma sala pre-existente. Entre a transformação de uma obra dramática em um material para a cena, sem levar em conta sua estrutura dramática, e a imposição de uma rígida "grade de leitura", ainda deveria haver espaço para uma dramaturgia aberta e sensível, criando as condições de uma experiência para o público.

 

Palavras-chave


Dramaturgia. Dramaticidade. Escrita dramática. Teatro “Pós-dramático”. Performance. Experiência.




Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-3254.98145





REVISTA CENA

Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas
Rua General Vitorino, 255
Centro - Porto Alegre - RS - 90020-171

  

revistacena@ufrgs.br
(51)3308.4380