O MOVIMENTO COMO MODO DE CRIAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DO VIVO

Adriana Dal Forno

Resumo


Este estudo observa aspectos do sistema proposto por Konstantin Stanislávski referentes aos processos de vivência corporificada das ações físicas. Os elementos do sistema atenção, tempo-ritmo, imaginação e plasticidade dos movimentos são apresentados como operadores dos impulsos que efetivam o movimento em ato, e este como produto e produção de vivência, a experiência do vivo. Nesse sentido, os movimentos são portadores de intensidade e de tendências para a tessitura do acontecimento cênico.


Palavras-chave


Ações Físicas; Movimento; Impulso; Konstantin Stanislávski.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-3254.92173





REVISTA CENA

Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas
Rua General Vitorino, 255
Centro - Porto Alegre - RS - 90020-171

  

revistacena@ufrgs.br
(51)3308.4380