DE FILHO PARA PAI: MEMÓRIA E REINVENÇÃO EM TIMe

Gabriela Lirio Gurgel Monteiro

Resumo


O artigo analisa o espetáculo (auto)biográfico TIMe, de Lars Jan, diretor da Early Morning Opera (EMO), que desenvolve uma pesquisa artística multidisciplinar. Entre documentos, fotografias e imagens digitais, o diretor constrói uma dramaturgia que busca resgatar a vida do próprio pai, um agente da Guerra Fria, cuja história havia permanecido na obscuridade e no sigilo. Ao questionar o modo como a memória pode ser acessada e investigada por uma geração de artistas que cresceu teclando em uma máquina de escrever e sobreviveu a todas as mudanças da passagem do mundo analógico ao digital, Jan reúne passado, presente e futuro, partindo do arquivo paterno, propiciando ao espectador um novo modo de percepção aliando memória à tecnologia.


Palavras-chave


arquivo, memória, tecnologia

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-3254.81603





REVISTA CENA

Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas
Rua General Vitorino, 255
Centro - Porto Alegre - RS - 90020-171

  

revistacena@ufrgs.br
(51)3308.4380