QUANDO O ANDAR SE TORNA UMA DANÇA

Sandra R. O. Santana

Resumo


Neste ensaio desenvolve-se uma argumentação em torno da ideia da ginga, inicialmente no contexto da capoeira angola baiana, como re-apresentação do andar humano. A principal referência para essa reflexão vem campo de estudos em Análise do Movimento Expressivo, desenvolvido, principalmente, no Departamento de Dança da Université Paris 8, através do trabalho dos professores Hubert Godard e  Christine Roquet. Apresenta-se o andar humano em seus elementos constitutivos – verticalidade caminhante;  torção/espiral fundante; padrão contralateral; pêndulo lado-lado; jogo de desequilíbrios – a fim de se pensar a ginga como base da negaça e como trânsito e conectividade.

 


Palavras-chave


ginga; capoeira; análise do movimento; andar humano

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-3254.73966





REVISTA CENA

Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas
Rua General Vitorino, 255
Centro - Porto Alegre - RS - 90020-171

  

revistacena@ufrgs.br
(51)3308.4380