O MIMO CORPÓREO DE ÉTIENNE DECROUX E A BUSCA DA EXPRESSIVIDADE SEGUNDO A PERSPECTIVA DE ARTIFICIALIDADE GROTOWSKIANA

Leela (Sirlei) Alaniz

Resumo


De acordo com Jerzy Grotowski: “Nós podemos realmente analisar cada fenômeno ritual ou teatral, observando em cada um a predominância daquilo que é orgânico e daquilo que é artificial.” Grotowski define sua própria pesquisa do trabalho do ator como uma pesquisa orgânica. Paralelamente ele define o teatro oriental, sobretudo a Ópera de Pequim, o Teatro Nô japonês e o Kathakali do sul da Índia como abordagens artificiais, considerando que cada uma dessas formas nasce de um modelo estruturado, e não da busca dos impulsos internos do ator.

O Mimo Corpóreo de Étienne Decroux parece se encaixar na linhagem artificial, além de outras características, tanto pela exigência de um longo período de treinamento técnico junto a um mestre ou professor, como pela ausência de engajamento emocional que o ator deve manter em relação à ação.

É possível que o trabalho desenvolvido por Decroux seja classificado como parte da linhagem artificial, tal como definida por Grotowski, à qual ele inclui as formas de teatro tradicional asiático?


Palavras-chave


Mimo Corpóreo, Linhagem Artificial, Teatro Tradicional Asiático, Jerzy Grotowski, Étienne Decroux

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-3254.72761





REVISTA CENA

Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas
Rua General Vitorino, 255
Centro - Porto Alegre - RS - 90020-171

  

revistacena@ufrgs.br
(51)3308.4380