A DRAMATURGIA DO TEXTO CURTO

Patrícia Cecato

Resumo


O formato do texto curto foi proposto em 1842, nos EUA por Edgar Allan Poe e adotado por Anton Tchecov, que acreditava que o tempo era do trem veloz. Assim, o novo formato constituía-se a partir de um fato sem interpretação, sem retórica excessiva e com a maior honestidade possível. Produzir um texto curto para teatro requer a consciência de que, talvez, não seja possível imprimir neles, a marca dos grandes personagens e a opção por menos homem e mais humanidade. O texto curto descreve primeiro o homem e, então, o seu reflexo de humanidade. Ao dedicar-se ao texto curto, o autor tem que estar preparado para fazer opções dentro de limites muito estreitos. A opção mais importante para o desenvolvimento desta estrutura é a escolha do momento a ser capturado entre inúmeros outros, se formos considerar toda a biografia disponível do personagem. É neste curto período de tempo/narrativa que a história acontecerá. Esta opção deve estar profundamente conectada com aquilo que é característico, individual e original naquele personagem, alem  de apresentar personagens profundamente biográficos. O presente deve estar impregnado de passado e de futuro. O texto curto para teatro se confunde com o conto literário, no tanto de impacto e no grau de ressonância que causa.  O conto é levado para a cena, dentro do contexto do teatro pós-dramático. Os textos curtos produzidos especialmente para a encenação são aqueles textos escritos para serem ditos. Para serem ditos por um ator.

 

 


Palavras-chave


Dramaturgia; Texto curto; Teatro.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-3254.60711





REVISTA CENA

Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas
Rua General Vitorino, 255
Centro - Porto Alegre - RS - 90020-171

  

revistacena@ufrgs.br
(51)3308.4380