EDUCAÇÃO ACESSÍVEL: ESTÉTICAS, CORPOS E DEFICIÊNCIA

Kuppers Petra

Resumo


Este artigo introduz o modelo social da deficiência aos professores de dança e discute as implicações dessa concepção sobre a deficiência para o ensino de dança, a apreciação da dança e da coreografia. A relação entre o dançarino de balé deficiente e o conceito do corpo dançante do balé é analisado como uma maneira de desafiar o entendimento sobre o corpo em estudantes de dança. O uso de estruturas e técnicas da dança-teatro são discutidas por meio do trabalho de performance de grupos de dança profissionais e comunitários  de pessoas com e sem deficiência. A tese central deste artigo é que uma cultura de dança acessível não precisa somente de técnicas, espaços de trabalho, instalações de treinamento e palcos acessíveis, mas também de um trabalho educacional mais amplo no que se refere ao entendimento sobre a dança: a nossa capacidade de ler dança e apreciar a manipulação de corpos, no tempo e no espaço.


Palavras-chave


Modelo social da deficiência; Dança; Ensino da dança; Coreografia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-3254.49497





REVISTA CENA

Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas
Rua General Vitorino, 255
Centro - Porto Alegre - RS - 90020-171

  

revistacena@ufrgs.br
(51)3308.4380