TORQUEMADA DE AUGUSTO BOAL: UMA CATARSE DO TRAUMA

Clara de Andrade

Resumo


A partir de um estudo de caso sobre o teatrólogo brasileiro Augusto Boal, o presente artigo busca refletir sobre a questão da tortura no teatro de resistência ao regime militar no Brasil. A experiência de tortura vivenciada pelo artista, assim como sua produção enquanto dramaturgo, escritor e diretor teatral, ancoraram profundamente a atual reflexão. Assim, a partir da análise de sua peça Torquemada (1971) e do romance Milagre no Brasil (1979), foi possível perceber suas motivações, suas escolhas estéticas e dramatúrgicas e estabelecer um elo entre o momento de sua vida da experiência de prisão, tortura e exílio e sua produção artística de então.

 

 


Palavras-chave


Teatro de resistência. Augusto Boal. Tortura. Exílio. Ditadura militar brasileira.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-3254.24098





REVISTA CENA

Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas
Rua General Vitorino, 255
Centro - Porto Alegre - RS - 90020-171

  

revistacena@ufrgs.br
(51)3308.4380