O DISCURSO PUBLICITÁRIO: “MEU NOME É CORTESIA! MEU SOBRENOME? PERSUASÃO!”

Rossana Martins Furtado, Karina Antônia Fadini, Zirlene Effgen

Resumo


Esta pesquisa analisa o quanto o discurso publicitário precisa ser cortês para atrair a atenção do leitor buscando sua adesão e persuasão. A estratégia passa pelo sensível, pela cordialidade, tocando no emocional dos consumidores. Interessa-nos compreender como se processa esse ato comunicativo que elabora discursos inebriantes utilizando-se de recursos multimodais para legitimar um ethos socialmente responsável. A metodologia será a análise de um anúncio sob a perspectiva teórica da Análise do Discurso, priorizando as teorias de Maingueneau sobre discurso, ethos e interdiscurso; mas também uma análise sociológica e filosófica sobre a sociedade do espetáculo a partir de  Debord; Sodré, Canclini; Bauman e Vattimo. Os resultados obtidos são de que o discurso publicitário é embasado na cordialidade e na persuasão.

Palavras-chave


Cortesia; Discurso publicitário; Sociedade do espetáculo.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Tradução: Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

CANCLINI, N. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. 8ª edição. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2010.

CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de análise do discurso. 2ª ed.. São Paulo: Contexto, 2006.

DEBORD, G. [1967] A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: ed. Contraponto, 1997.

FOUCAULT, M. Isto não é um cachimbo. (1973). 5ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

FURTADO, R. Uma análise do discurso publicitário em tempos de espetáculo: cenografias e Ethos do Itaú na campanha #issomudaomundo. 128f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória/Es, 2015.

MAINGUENEAU, D. Ethos, cenografia, incorporação. In: AMOSSY, Ruth (org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2008a.

______________ . Cenas da Enunciação. São Paulo: Parábola Editorial, 2008b.

______________ . Gênese do Discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008c.

______________. Análises de texto de comunicação. 6ª edição ampliada. São Paulo: Cortez Editora, 2013.

MATTELART, A. História das Teorias da Comunicação. 2ª Ed. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

MUSSALIN, F. Análise do Discurso. In: _________; BENTES, A.C (orgs.). Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos, v. 3. São Paulo, Cortez, 2009.

ORLANDI, E. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 11ª Ed., Campinas, SP: Pontes Editores, 2013.

PAULIUKONIS, M; MONNERAT, R. Operações discursivas na enunciação. In: LARA, G. M. P.; MACHADO, I. L.; EMEDIATO, W. (orgs.). Análises do discurso hoje. Rio de Janeiro: Lucerna/Nova Fronteira, 2008. v. 1, p. 45-69.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso. Campinas, Editora da Unicamp, 1975.

POSSENTI, S. Observações sobre interdiscurso. Em: Revista letras, especial, n. 61. Curitiba: Editora UFPR, 2003, p. 253-269.

______________. Teoria do discurso: um caso de múltiplas rupturas. In: MUSSALIN, F; BENTES, A.C (orgs.). Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos, v. 3. São Paulo, Cortez, 2009

SODRÉ, M. As Estratégias Sensíveis: Afeto, Mídia e Política. Petrópolis: Vozes, 2006.

VATTIMO, G. O fim da modernidade: niilismo e hermenêutica na cultura pós-moderna. São Paulo: Martins Fontes, 2002.




DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.93016



Direitos autorais 2019 Rossana Martins Furtado, Karina Antônia Fadini, Zirlene Effgen

 

Indexadores: 

      

 

     

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil

 

Bolsista (vigência 2020):

Candice Batista de Fraga