A PESQUISA DAS LÍNGUAS ESLAVAS NO CENÁRIO DA DIVERSIDADE LINGUÍSTICA DO BRASIL

Myrna Estella Mendes Maciel

Resumo


 

O presente artigo analisa o estado da arte da pesquisa de línguas de imigração eslava em contato com o português no contexto da diversidade linguística brasileira. A opção por abranger o grupo eslavo, justifica-se por ampliar o foco de estudos e permitir, através da complementação e compartilhamento de resultados de pesquisa, chegar a uma visão clara e consistente do comportamento linguístico. Este artigo contempla as teses, dissertações e artigos, bem como demais produções de conhecimento sobre esses grupos de fala, fornecendo assim, um quadro de partida que sirva de base para as pesquisas linguísticas futuras. Este levantamento tem como fonte bancos de dados de Universidades e revistas eletrônicas, a partir de publicações e escritos desde 1956. A primeira parte analisa a temática dos imigrantes eslavos (poloneses, ucranianos, russos) na perspectiva histórica de imigração. Na segunda parte, priorizam-se estudos descritivos dessas línguas de imigração no nível da fonologia e fonética, morfologia e sintaxe, semântica, análise do discurso, processos identitários, com enfoque sociolinguístico, plurilinguístico-dialetológico ou de sociologia da linguagem. Sua relevância está em identificar e organizar bancos de dados, delimitando a presença, vitalidade e manutenção ou perda dessas línguas no cenário da diversidade linguística do Brasil.

 


Palavras-chave


Imigração eslava; contato linguísticos; línguas eslavas; multilinguismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTENHOFEN, Cléo Vilson; THUN, Harald. A migração e os contatos linguísticos na geografia linguística do sul do Brasil e Bacia do Prata. In: AGUILERA, Vanderci de Andrade; ROMANO, Valter Pereira. A geolinguística no Brasil: caminhos percorridos, horizontes alcançados. Londrina: Eduel, 2016. p. 371-392.

BAGNO, Marcos. Preconceito Linguístico. São Paulo: Ed. Loyola, 2001.

BERTINETTO, P. M. On a Frequent Misunderstanding in the Temporal-Aspectual Domain: The ‘Perfective-Telic Confusion’. In: CECHETTO, C. et al. (org.). Semantic Interfaces: reference, anaphora and aspect. Standford, Califórnia: CSL Publications, 2001. p. 117-210.

BYTSENKO, Anastassia. Imigração da Rússia para o Brasil no início do século XX. Visões do paraíso e do inferno. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Letras Orientais, Programa de Literatura e Cultura Russa, 2006.

CALVET, Louis. Jean. As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola, 2007.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Alguns etnônimos eslávicos (estudo histórico-etimológico). Filologia e Lingüística Portuguesa, n.2, p. 143-157, 1998.

DELONG, Silvia Regina; KERSCH, Doroteia Frank. Perfil de descendentes de poloneses residentes no sul do Brasil: a constituição da(s) identidade(s). 2014. 21p. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/26418/15193.

Acesso em: 28 jun. 2018.

DELONG, Silvia Regina . Vitalidade linguística e construção de identidades de descendentes de poloneses no sul do Paraná. Tese (Doutorado) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, São Leopoldo, 2016. 212 p. Disponível em: http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/6105. Acesso em: 28 jun. 2018

FISHMAN, Joshua Aaron. Language maintenance, language shift, and reversing language shift. In: BHATIA, Tej K.; RITCHIE, William C. (eds.). The handbook o bi/ingua/ism. Malden; Oxford: Blackwell Publishing Ltd, 2006. p. 406-436.

GARDOLINSKI, Edmundo. Imigração e colonização polonesa. In: BECKER, Klaus (Org.). Enciclopédia Rio-grandense. v. 5. Canoas: Regional, 1956. p. 1-104.

______. Escolas da colonização polonesa no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Escola Superior de Teologia São Lorenço de Brindes-ESTSLB. Caxias do Sul: UCS, 1976, 138p. Universidade de Caxias do Sul, co-editado 1977.

GARIN, Podolano Felipe. Imigração Ucraniana em Curitiba. Trabalho de Conclusão de Curso de Ciências Sociais - Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, 2010.

GLUCHOWSKI, Kazimierz. Os poloneses no Brasil: Subsídios para o problema da colonização polonesa no Brasil-Edição histórica. Trad. De Mariano Kawka, Porto Alegre: Rodycz & Ordakowski Editores, 2005.

GORTER, Durk. Linguistic Landscape. A New Approach to Multilingualism. Great Britain: Datapage Ltd, 2006.

GOULART, Maria do Carmo Ramos krieger. Imigração (A) Polonesa nas Colônias Itajhay e Príncipe Dom Pedro: Um contribuição ao estudo da imigração polonesa no Brasil Meridional. Blumenau: Fundação “ Casa Dr. Blumenau”, 1984.

IAROCHINSKI Ulisses. Polaco - Identidade Cultural do Brasileiro descendente de imigrantes da Polônia. Curitiba, 2010. p.200.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Estudos sôbre as Línguas Estrangeiras e a Aborígenes faladas no Brasil. Rio de Janeiro: Estatística Cultural, 1950.

MACIEL, Myrna Estella Mendes. Línguas de imigrantes: a língua polonesa na Região Sul do Brasil. Dissertação de Mestrado - Curso de Mestrado em Ciências da Linguagem - Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL), . Florianópolis, 2010.

MARTINS, Cláudia Regina Kawka. A presença eslava na formação de Arapongas. Curitiba, PR:Vicentina, 2008.

MAZUREK, Jerzy; OLIVEIRA, Márcio de; WENCZENOWIC, Thaís J. Polacy pod Krzyżem. Os poloneses sob o Cruzeiro do Sul. Warszawa, Varsóvia: Biblioteka Ibercryska, 2009. 117 p.

NADALIN, Eduardo. Aktionsart e Aspecto verbal: Uma análise dessa distinção no polonês. Dissertação de Mestrado – Letras - Área de concentração em Estudos Linguísticos, Curso de Pós Graduação em Letras - Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, 2005.

SCHOLTZ, Adriana. Jesus. Identidade linguística: descendentes de poloneses e ucranianos em contato com o português em Virmond e Candói, no Paraná. Dissertação de Mestrado - PPGEL, UFFS, Chapecó, 2014.

SEMECHECHEM, J. A. O multilinguismo na escola: práticas linguísticas em uma comunidade de imigração ucraniana no Paraná. Tese de Doutorado - Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-Graduação em Letras, Maringá, 2016. Disponível em: http://www.ple.uem.br/defesas/def_jakeline_aparecida_semechechem_do.htm. Acesso em: 24 jun. 2019.

RADTKE, Edgar & THUN, Harald (Eds.). Neue Wege der romanischen Geolinguistik: Akten des Symposiums zur empirischen Dialektologie. Kiel: Westensee-Verl., 1996. 648 p. (Dialectologia Pluridimensionalis Romanica; 1.)

THUN, Harald. La geolingüística como lingüística variacional general (com ejemplos del Atlas lingüístico Diatópico y Diastrático del Uruguay). In: INTERNATIONAL CONGRESS OF ROMANCE LINGUISTICS AND PHILOLOGY (21: 1995: Palermo). Atti del XXI Congresso Internazionale di Linguistica e Filologia Romanza. Giovanni Ruffino. Tübingen (Org.). Niemeyer, 1998. v. 5, p. 701-729.

VERKUYL, Henk Johannes. Aspectual Issues: studies on time and quantity. Stanford: CSLI Publications. 1999. 266 p.

WEPIK, Fernanda. Fátima. Crenças e atitudes linguísticas de polono-brasileiros de Áurea/RS e Nova Erechim/SC: o uso dos termos de parentesco. Dissertação de Mestrado - PPGEL, UFFS, Chapecó. 2017.

ZDZISŁAW Malczewski SChr. SLADY POLSKIE W BRAZYLII. MARCAS DA PRESENÇA POLONESA NO BRASIL Warsawa, 2008. Disponível em: https://www.iberystyka.uw.edu.pl/ Acesso em: 26 jul. 2019.




DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.92658



Direitos autorais 2019 Myrna Estella Mendes Maciel

 

Indexadores: 

      

 

     

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil

 

Bolsista (vigência 2020):

Candice Batista de Fraga