A VISÃO CULTURAL E POLÍTICA DE JOSUÉ DE CASTRO E MARIO VARGAS LLOSA SOBRE A AMÉRICA LATINA SUBDESENVOLVIDA

Thiago Azevedo Sá de Oliveira

Resumo


Propõe-se neste artigo interpretar o fluxo socialmente difuso das construções literárias de Josué de Castro, ressaltando do acervo josueniano, publicado no período de 1920 a 1960, o trânsito ético-estético expresso por esta produção, a saber, composta por ensaios, pelos contos do Documentário do nordeste (1937) e pelo romance Homens e caranguejos (1967). Neste sentido, em face da conferência “Dentro y fuera de América Latina” (2005), presente no volume Sables y utopias: visiones de América Latina (VARGAS LLOSA, 2009), aproxima-se a obra do escritor brasileiro a do peruano Vargas Llosa, comparando-as de forma ensaística, em busca de (re)discutir no âmbito da crítica literária a formulação de imagens possíveis para se pensar a geopolítica latino-americana, identitariamente marcada pela segregação cultural e econômica, bem como, pela consciência de atraso (CANDIDO, 1989).


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.83353



Indexadores:       

Site da UFRGS

Site do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Letras

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)