O PAPEL DA FREQUÊNCIA LEXICAL NA DESNASALIZAÇÃO DO DITONGO FINAL ÁTONO[ẽj̃ɲ] EM NÃO VERBOS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL

Camila de Bona, Luiz Carlos Schwindt

Resumo


Neste artigo, discutimos o papel da frequência lexical em não verbos envolvidos no fenômeno de redução de nasalidade do ditongo final átono [ẽj̃ɲ] no português falado no sul do Brasil (ex. homem ~ homi; ontem ~ onti), a partir da reanálise estatística de dados de Schwindt e Bopp da Silva (2010). Neste texto, apresentamos um exercício comparativo entre a frequência dessas palavras na referida amostra e sua frequência em um corpus de referência abrangendo as diferentes variedades do português brasileiro. A análise evidenciou algum papel da frequência nos não verbos de modo geral. No que diz respeito aos nomes terminados em gem, contudo, não foi possível contradizer a hipótese presente na literatura que prevê papel para o contexto fonológico precedente.

 

Palavras-chave


frequência lexical; variação fonológica; redução da nasalidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.67875



Direitos autorais 2017 Cadernos do IL

 

Indexadores: 

      

 

 

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus do Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil